Apende a gerir o esforço

Se costumas ter boas sensações no início, mas quando já levas duas horas de andamento começam a faltar-te as forças, então é porque estás a gerir mal o teu esforço. Lê o artigo para saberes mais...
Yago Alcalde e Carlos Pinto -
Apende a gerir o esforço
Apende a gerir o esforço

Partindo da ideia de que na nossa preparação incluímos voltas longas com alguma regularidade, este problema parece mais relacionado com a gestão da energia. A sabedoria popular insiste sempre na mesma matéria: não se deve dar tudo no início, salvaguardando alguma energia para o final. Mas a verdade é que somos competitivos por natureza e alguns de nós têm a tendência a gastar mais do que deveriam no primeiro terço da maratona ou passeio.

Devemos imaginar as nossas forças (metaforicamente, claro), como se fossem as balas de uma pistola, isto é, que começamos com um determinado número e que devemos geri-las de forma a que não acabem antes de chegarmos à meta. Parece simples, mas não é...

Podemos fazer a gestão do esforço através das nossas sensações ou também com a ajuda de um pulsómetro. Se optarmos pelo pulsómetro, primeiro devemos fazer alguns testes para sabermos onde é que se situa o nosso limiar anaeróbico em pulsações. Este dado indica a intensidade máxima que podemos aguentar durante uma hora a fundo. Quando já tivermos este dado, podemos marcar as pulsações limite que não devemos ultrapassar nas primeiras subidas das maratonas. Embora seja um pouco variável, recomendamos ir entre 10 e 15 pulsações abaixo do limiar para guardar algumas "balas" para as últimas subidas. Além de uma correta gestão da energia também é importante dotar o músculo da "gasolina" necessária para retardar a fadiga. Isto consegue-se se durante os dias que antecedem a Maratona seguirmos uma dieta rica em hidratos de carbono. Também convém comer e beber durante o evento, sobretudo alimentos ricos em açúcar, já que contribuirão para retardar a fadiga.