A dieta baixa em hidratos de carbono funciona?

Existem teorias que dizem que as dietas baixas em hidratos melhoram o rendimento pois ensinam o organismo a retirar energia das nossas próprias gorduras. Mas será mesmo assim?
Yago Alcalde e Carlos Pinto -
A dieta baixa em hidratos de carbono funciona?
A dieta baixa em hidratos de carbono funciona?

A teoria deste tipo de dietas tem algum fundamento e por vezes até pode ser tida em conta como estratégia para favorecer o metabolismo das gorduras. O único ponto negativo deste tipo de estratégia nutricional é que a nível científico não ficou demonstrado que esta suposta melhoria no metabolismo das gorduras se traduza numa melhoria no rendimento desportivo. Acima de tudo porque quando estamos a competir o metabolismo prioritário é o do glicogénio (hidratos de carbono), e é o sistema que mais deve ser treinado, a não ser que estejamos a falar de provas de longa distância.

Mesmo assim, é possível que fazer uma dieta baixa em hidratos possa induzir adaptações extra ao nosso organismo num período da temporada no qual o objetivo seja a melhoria da resistência aeróbica associado a uma melhoria na oxidação das gorduras como combustível muscular.

Ou seja, implica fazer treinos com os depósitos de glicogénio vazios. Podemos conseguir isto se depois de um treino exigente não repormos os depósitos de glicogénio ingerindo hidratos de carbono nas refeições posteriores e no dia seguinte sairmos para treinar com os depósitos vazios.

Se decidirmos por este tipo de estratégia, é importante salientar que a intensidade dos treinos deve ser média-baixa, pois se não o fizermos corremos o risco de sofrer uma hipoglicémia (descida de açúcar no sangue que pode desencadear enjoos e até desmaios). Para evitar que isto aconteça, é recomendável levar sempre dois ou três géis no bolso caso surja uma sensação de mal-estar ou fadiga excessiva.

Como referimos no início, os benefícios deste tipo de treino comparados com um treino normal podem ser quase iguais, pelo que só os recomendamos aos atletas que tenham muita experiência em termos de treino e que visam uma adaptação extra treinando de forma diferente. Para todos os restantes, este tipo de dietas não é muito recomendável.