comitium

TESTE: 9.000 km com o Shimano XT 1x12

Testámos o XT de 12v (M8100) durante um longo período, com a intenção de verificar se as melhorias neste grupo foram um salto qualitativo grande face ao grupo de 11v. Após 9000 km já temos as nossas conclusões.

novo shimano deore xt slx 12 velocidades 5cf0083d51f6f
novo shimano deore xt slx 12 velocidades 5cf0083d51f6f

Percorrer tantos quilómetros leva tempo e gera uma quantidade relativamente curiosa de dados. Foram 9027 km, em 189 atividades, o que dá uma média de um pouco menos de 48 km por saída. Houve 1099 quilómetros de estrada (a diferença em relação aos 1357 mencionados com as rodas standard foi porque um dia fiz montanha com essas rodas, porque ainda havia lama) e 7928 de montanha. O tempo a pedalar foi de 495 horas (mais 150 de rolo, com outra bicicleta, obviamente). A saída mais curta foi de 18,57 km (havia pouco tempo e aproveitei a oportunidade para fazer um grande desnível) e o mais longo foi 416,37 km. Percorremos doze cidades, cumprindo sempre o distanciamento e as recomendações sanitárias devido ao coronavírus.

Fiz três viagens, uma organizada e com assistência, a Transpirenaica e duas de Bikepacking, os cerca de 500 km das Montañas Vacías (rota parcial) e uma rota por La Mancha/Alcarria de 700 quilómetros. Foram utilizadas quatro correntes (todas CN-M8100) e em termos de pneus, usei os Barzo até se gastarem, mais um par que foi usado parcialmente para fazer estrada. Os outros dois de montanha (substituíram o Barzo) foram quase até ao fim (tinham pouca utilização anterior, cerca de 1000 quilómetros).

Chegámos a esse número, mesmo contando com as dificuldades que todos nós sofremos devido à pandemia com que vivemos (confinamento, restrições de tempo, quase ausência de competições,...) e em menos de um ano, já tínhamos os 7500 km que anunciámos inicialmente, e ainda tivemos tempo para um último esforço até aos 9000 km. Resumirei muito rapidamente as condições do teste. Começámos com uma Merida Big Nine XT, com ligeiras modificações (rodas, rotores de disco, cassete e corrente; vinha com o SLX M7100 de série, alterado para XT M8100), com umas rodas mais estreitas e pneus mistos do tipo gravel para nos dias de chuva fazer estrada e evitar a lama. Percorri cerca de 1.300 km com essas rodas e pneus, mas os 6.000 km restantes foram com as rodas de série.

Mas vamos ao que interessa. O único problema que o grupo teve foi a substituição do manípulo das mudanças aos 4261 km. Não é uma falha frequente e penso que foi causada por uma queda sem consequências que ocorreu ao km. 3462, em que o guiador bateu no quadro ao rodar velozmente e o manípulo ficou ligeiramente solto.

Como resultado dessa queda, inicialmente de forma espaçada e depois, mais frequentemente, havia toques “vazios” na patilha do polegar. Ao mudar o manípulo, descobriu-se que uma pequena mola no interior se partiu. Após 8965 km, o crepitar do pedaleiro começou a ser bastante irritante (depois de atravessar um rio que chegava aos meus joelhos, mais ou menos; uma situação que se repetiu várias vezes durante o teste, para meu pesar, pois outro dos meus passatempos é evitar molhar os pés). Seria uma boa ideia substituí-lo, uma vez que sendo este um componente selado, não há muito a fazer (em alguns casos poderia ser resolvido com massa lubrificante na rosca, mas este não era o caso, uma vez que se trata de um "Press Fit").

Manutenção básica

O único inconveniente, que também pode ser uma vantagem, é que os travões (não me canso de dizer que são excelentes) não deslocam suficientemente a manete quando as pastilhas são usadas e quando se repara, já estão gastas (mas basta olhar para elas de vez em quando). Em todos os travões que usei, com o desgaste das pastilhas a manete aproxima cada vez mais do guiador e assim vê-se que está na hora de mudar. Estes M8100, após 9000 km (com as pastilhas de resina originais!) ainda têm uma excelente sensação e a manete não se aproximou do guiador. É verdade, estão nas últimas (na verdade, até um pouco para além disso), mas continuam a travar bem. Notei que após longas descidas, as pastilhas de travão roçam um pouco, até o óleo dos travões arrefecer, o que pode ser um sinal de que é preciso trocar o óleo, o que é totalmente recomendado. Se mudar as pastilhas e o fluido e limpar os pistões os travões ficarão novos. 

Quanto à transmissão, tanto a cassete como o pedaleiro poderiam facilmente suportar uma nova corrente (ou duas) sem necessidade de substituição (convém lembrar que a cassete tem menos 1357 km, porque também rolei muito com as rodas de estrada). Mesmo assim, 7643 km para uma cassete, e ainda assim em “bom estado” diz muito sobre a sua fiabilidade. Neste teste fiz as mudanças de corrente prestando mais atenção ao alongamento da corrente do que a um valor fixo (normalmente mudo a cada 1500-2000 km) e isso levou-me a fazer as mudanças aos 2176, 4795 (2619) e 7432 (2637) km.

Talvez o que menos me tenha agradado tenha sido o cubo traseiro, mais especificamente o cepo, não por causa do sistema MicroSpline, mas porque nos últimos mil quilómetros, aproximadamente, começou a mostrar um pouco mais de folga no engate ao pedalar. Também a questão do "som" do cepo foi estranha desde o início, uma vez que por vezes se escutava o ruído da roda livre (muito silencioso de qualquer forma) e por vezes não. Não é um problema, mas é estranho. O funcionamento foi sempre correto, e à exceção daquela pequena folga no final do teste não houve qualquer problema (e a possibilidade de incluir um carreto de 10 dentes é uma grande melhoria). Não há muita coisa a apontar a este grupo, uma vez que mesmo o preço não é exorbitante, é extremamente razoável, dadas as características que oferece. 

O melhor

Fiabilidade e baixo desgaste; travões soberbos; funcionamento preciso, suave e duradouro. 

A melhorar

Alguma folga no engate do cepo traseiro.

Como ficaram os componentes após os 9.000 km?

 

CASSETE

Tem relativamente pouco desgaste e ainda permite mudanças muito suaves e precisas. Ainda tem uma longa vida à sua frente.

DISCO

Muito boa dissipação de calor produzido por longas travagens e muito baixo desgaste (espessura do rotor). Muitos quilómetros para percorrer.

TIVEMOS UMA AGRADÁVEL SURPRESA QUANDO VIMOS O ESTADO FINAL DO GRUPO APÓS 9.000 KM. PODE DURAR MUITOS MAIS

EIXO TRASEIRO 

O sistema de fixação da roda traseira que escolhemos é muito conveniente (o aperto é uma chave allen que pode ser removida e que se usa também na roda dianteira). O som do cubo é estranho e tem um pequeno atraso no engate.

CRANQUES/PRATO

Praticamente não há desgaste no prato, enquanto os cranques apenas mostram os danos causados pelo uso (fricção e alguns solavancos). O eixo pedaleiro sofreu mais e fazia algum ruído (após alguns atravessamentos de rios). Nada que não seja normal após 9000 km.

TERIA SIDO RARO PARA UM GIGANTE COMO A SHIMANO "FAZER ASNEIRA". NESTE ARTIGO MOSTRAMOS A VIDA DOS PRIMEIROS 9000 QUILÓMETROS DO NOVO XT.

TRAVÕES

Sensações perfeitas durante todo o teste, travando bem e não aumentando o curso da manete. 

PASTILHAS

Pastilhas traseiras no limite de atingir o "ferro" e as dianteiras muito gastas (deveriam ter sido substituídas mais cedo). 

MANÍPULO

Foi substituído devido à quebra de uma mola interna (provocada por uma queda), mas o seu funcionamento foi e continua a ser exemplar. A parte de borracha do botão foi uma boa surpresa, limitando o desgaste e dando uma melhor aderência 

9000 QUILÓMETROS DÃO PARA MUITAS EXPERIÊNCIAS, TANTO SOZINHO COMO EM BOA COMPANHIA.

 


 

Arquivado em:

Novo Shimano Deore XT e SLX com 12 velocidades

Relacionado

Novo Shimano Deore XT e SLX com 12 velocidades

Novidade: 12 velocidades chegam à gama Deore

Relacionado

Novidade: 12 velocidades chegam à gama Deore

TESTE jersey Shimano S-Phyre Leggera

Relacionado

TESTE jersey Shimano S-Phyre Leggera

Novo Shimano GRX: específico para Gravel

Relacionado

Teste: novo Shimano GRX

Teste pedais Shimano Deore XT (PD-M8020)

Relacionado

Teste pedais Shimano Deore XT (PD-M8020)

Os melhores videos