Gonçalo Bandeira e Nuno Reis no pódio da Taça do Mundo

Gonçalo Bandeira (Miranda Factory Team) foi hoje, na Lousã, o segundo classificado na derradeira prova da Taça do Mundo de Downhill na categoria de juniores. Nuno Reis fechou a competição no terceiro lugar da geral júnior.
BIKE -
Gonçalo Bandeira e Nuno Reis no pódio da Taça do Mundo
Gonçalo Bandeira e Nuno Reis no pódio da Taça do Mundo

Os dois jovens portugueses chegaram à final da Taça do Mundo com as expectativas em alta. Gonçalo Bandeira, depois de ser o mais rápido na descida de qualificação, assumia-se como candidato a ganhar a prova na Lousã. Nuno Reis, sempre regular desde o início da Taça do Mundo, batalhava para manter-se no top 3 da geral da competição.

Ambos melhoraram os registos face à descida de apuramento. Gonçalo Bandeira completou a pista em 4’01’’688, sendo apenas batido pelo estadunidense Dante Silva, 1,339s mais rápido do que o português. O britânico Ethan Craik (GT Factory Racing) fechou o pódio do dia, a 4’03’’548 do mais veloz da jornada, um resultado que lhe valeu a conquista da Taça do Mundo na categoria de juniores.

Gonçalo Bandeira e Nuno Reis no pódio da Taça do Mundo

Gonçalo Bandeira ainda é júnior, mas é o atual campeão nacional da especialidade em Portugal

Nuno Reis também evoluiu muito face às descidas dos dias anteriores, cortando a meta ao fim de 4’04’’944, quinto melhor registo da manhã deste domingo. Este resultado permitiu a Nuno Reis fechar a Taça do Mundo no pódio, com 110 pontos somados nas quatro corridas do circuito, duas em Maribor e duas na Lousã. Foi batido apenas por Ethan Craik, que amealhou 131 pontos, e pelo campeão mundial júnior, o irlandês Oisin O Callaghan (The YT Mob), com 120.

Gonçalo Bandeira e Nuno Reis no pódio da Taça do Mundo

Nuno Zuzarte Reis voltou a demonstrar que o futuro do Downhill nacional está garantido

A corrida de elite masculina ficou marcada pela chuva que caiu ao início da tarde e que aumentou a exigência técnica da pista, potenciando inúmeros erros de condução de corredores de quem se esperava resultados entre os melhores. Os últimos 30 homens a partir foram afetados por essas condições, mas os três derradeiros a entrarem em pista alhearam-se das dificuldades, arriscaram e conseguiram os três melhores registos.

O francês Loic Bruni (Specialized Gravity) foi o mais lesto de todos, parando o cronómetro em 3’54’’288. O sul-africano Greg Minnaar (Santa Cruz Syndicate) só gastou mais 170 milésimos de segundo, ocupando o segundo lugar. O terceiro classificado foi o britânico Matt Walker (Madison Saracen Factory Team), a 1,415s do vencedor. Este desfecho permitiu a Matt Walker conquistar a Taça do Mundo na categoria de elite.

Dois portugueses, ambos da Miranda Factory Team, conseguiram ontem um lugar entre os 60 finalistas. Emanuel Pombo foi hoje o 35.º, a 8,641s. Tiago Ladeira foi o 54.º classificado, a 16,653s.

A francesa Marine Caribou (Scott Downhill Factory) fez o pleno entre a elite feminina. Ganhou a prova deste domingo, com 4’23’’362, e, dessa forma, conquistou a Taça do Mundo. Para esse resultado contribuiu a prestação aquém do esperado da compatriota Myriam Nicole (Commençal/MUC-Off by Riding Addiction), que não foi além da quarta posição na Lousã, batida pela alemã Nina Hoffmann (Nina Hoffmann Racing-STIF), segunda, a 1,702 da vencedora, e pela britânica Tahnee Seagreave (Canyon Collective FMD), a 2,409s.

As francesas dominaram na categoria de juniores femininas. Lauryne Chappaz (Dorval AM Pro Race Team) foi a mais rápida na corrida de hoje, com 4’52’’591, menos 5,693s do que a espanhola Ana González (IJ Racing) e menos 6,171s do que a belga Siel van der Velden, que a acompanharam no pódio. Na geral da Taça do Mundo impôs-se a gaulesa Leona Pierrini, que hoje não foi além do quarto lugar, mas que vencera as três rondas anteriores.

A Santa Cruz Syndicate terminou a Taça do Mundo no topo da geral coletiva. Nesta tabela, a Miranda Factory Team fechou no 16.º lugar.