comitium

Quem é Egan Bernal? Lê o artigo e saberás

O vencedor mais jovem do Tour nos últimos 110 anos é um talento que esteve quase a abandonar a modalidade em 2013. Esta é a sua história.

Revista Ciclismo a fundo

Quem é Egan Bernal? Lê o artigo e saberás
Quem é Egan Bernal? Lê o artigo e saberás
Entre Courgnà e o topo de Iserán são cerca de 50 km. Courgné é uma pequena povoação no norte de Turim (Itália) e é precisamente o local onde Egan Bernal se instalou em 2016 para se converter no ciclista profissional que três anos mais tarde acabou de colocar a primeira pedra da sua história lendária do Tour de France.

Bernal foi criado em Zapaquirá, no norte de Bogotá. Ali começou a treinar e a lavrar o seu talento. Na Europa está a começar a cimentar o seu mito, que começou com letras de ouro ao converter-se no primeiro colombiano que venceu a Volta a França. Com 22 anos, é o terceiro mais jovem a vencer a prova mais dura do mundo.

A história de Bernal começou a ser escrita em altitude. E, como o próprio ciclista reconhece, com curvas e contra-curvas, como se o destino tivesse sido marcado pelo médico que recebeu o parto da sua mãe, que escolheu um nome grego, Egan, o mito do fogo, a chama que se eleva no Olimpo.

Nasceu em Bogotá em 13 de janeiro de 1997 porque a clínica de Zapaquirá estava fechada. A sua infância foi vivida entre os 2.700 metros da cidade onde vivia com os seus pais, e os 3.400 onde termina o monte Pacho, o tal topo que o tornou um ciclista com raça. Desde muito jovem ficou fã das BTT, animado pelo seu pai, Germán, segurança privado, que queria que o seu filho tivesse brilhado nesse desporto. Embora tenha tido bons resultados, Egan esteve prestes a abandonar o desporto em 2013, para estudar Jornalismo. Apenas após a intervenção de um mecenas, Pablo Mazuera, ficou animado e continuou um pouco mais.  

"Disse-me que se não corresse bem, ele próprio me pagaria o curso de Jornalismo", recordou em Val Thorens, vestido já com a camisola amarela. O jovem franzino, de olhar curioso, revelou-se um autêntico prodígio. A medalha de prata que conseguiu na categoria júnior nos Mundiais de Lillehammer (Noruega) em 2014 colocou-o na mira dos principais "caça-talentos". 

O italiano Gianni Savio convidou-o a ir até ao Mónaco em 2015, tendo assinado um contrato de quatro anos. Nessa altura entrou em jogo Courgnè, onde se instalou e passou a conhecer o ciclismo profissional. Em 2017 impôs-se no Tour de Porvenir e todo o mundo começou a ver uma aura ao redor de Bernal. 

As grandes equipas do pelotão tentaram contratá-lo, mas apostou mais forte quem tinha mais meios e mais recursos financeiros, a Ineos (antiga Sky), que procurava uma mudança geracional para substituir os trintões britânicos Geraint Thomas e Chris Froome. "Nele surpreenderam-me duas coisas. Não ser um trepador como os outros colombianos. Sabia rolar, controlar o esforço em contrarrelógio e posicionar-se bem em cima da bicicleta. Além disso, era tão maduro que apenas dizia que queria aprender", recorda Dave Brailsford, o Diretor Principal da Ineos, o qual dirigiu seis dos sete últimos vencedores do Tour. 

O seu talento transbordava. No seu primeiro ano na equipa britânica ganhou a Volta à Califórnia e imediatamente colocaram-no no Tour. Para aprender, mas também para ser gregário dos veteranos chefes de fila. No segundo ano, promoveram-no a chefe de fila para a Volta a Itália. Mas, uma vez mais, o destino foi traçado por linhas tortas. Ganhou a Paris Nice, que com frequência designa o vencedor da Volta a França. 

Com a clavícula partida, o seu treinador chorava enquanto lhe perguntavam se poderia estar bem fisicamente a tempo do Tour. Curou-se a tempo. Ganhou a Volta à Suíça e, novamente com as curvas e contra-curvas da vida à mistura, quis o destino que Chris Froome não pudesse estar presente no Tour a lutar pela quinta vitória, após uma queda grave no Dauphiné, que quase lhe custou a vida (Froome perdeu mais de dois litros de sangue e se não tivesse sido transportado de helicóptero para o hospital, o cenário poderia ter sido outro). Deste modo, Egan Bernal, com apenas 22 anos de idade, romou a Bruxelas como co-líder da melhor equipa do mundo.

Passou todo o Tour a esconder as suas cartas na sombra de Thomas, o líder assumido e aquele que tinha experiência suficiente para suportar a pressão de ser favorito. Mas quando as etapas do Tour ultrapassaram os 2.000 metros de altitude, emergiu o espírito de vencedor, que alguns já identificam como o "canibal", recordando o belga Eddy Merckx. O seu ataque no col de L´Iserán ficou na história do Tour. 


Queres um poster de Egan Bernal? Faz como Olivier Bonamissi da Eurosport Portugal, que colocou o poster bem visível no estúdio do canal desportivo.

Poderás encontrar este poster na revista Ciclismo a fundo nº3, atualmente nas bancas. Mas despacha-te, pois já há poucos exemplares nas bancas e gasolineiras da Galp e BP.

Edição nº3 da revista Ciclismo a fundo já nas bancas

 

 

 

Arquivado em:

O "brutal" treino de Egan Bernal: 237 km e 3.260 m de desnível

Relacionado

O "brutal" treino de Egan Bernal: 237 km e 3.260 m de desnível

Egan Bernal: "Seria grave para o ciclismo não decorrerem as três Grandes Voltas"

Relacionado

Egan Bernal: "Seria grave para o ciclismo não decorrerem as três Grandes Voltas"

Egan Bernal apologista de se adiar os Jogos Olímpicos de Tóquio

Relacionado

Egan Bernal apologista de se adiar os Jogos Olímpicos de Tóquio

Quando Egan Bernal triunfava no BTT

Relacionado

Quando Egan Bernal triunfava no BTT

Os melhores videos