comitium

Beber café está associado a menor risco de insuficiência cardíaca

A Associação Americana do Coração fez uma análise a três grandes estudos e concluiu que as pessoas que bebem uma ou mais chávenas de café por dia têm menor risco de sofrer de insuficiência cardíaca.

Yolanda Vásquez Mazariego e Carla Ribeiro

Beber café está associado a menor risco de insuficiência cardíaca
Beber café está associado a menor risco de insuficiência cardíaca

Uma análise aprofundada a três estudos reconhecidos sobre incidência de doenças cardíacas, concluiu que beber uma ou mais chávenas de café com cafeína por dia está associado à diminuição do risco de insuficiência cardíaca. Beber café descafeinado não teve o mesmo benefício e pode estar associado a um maior risco de insuficiência cardíaca. Isto segundo uma investigação publicada na Circulation: Heart Failure, uma revista da American Heart Association.

A insuficiência cardíaca e os acidentes vasculares cerebrais são as principais causas de morte por doença cardíaca no mundo ocidental. Embora o tabagismo, a hipertensão e a idade se encontrem entre os factores de risco mais conhecidos das doenças cardíacas, há outros factores de risco não identificados para as doenças cardíacas segundo David P Kao, MD, autor principal do estudo e professor assistente de cardiologia e director médico do Centro de Medicina Personalizada do Colorado e da Faculdade de Medicina da Universidade do Colorado em Aurora, Colorado.

“Os riscos e benefícios de beber café têm sido temas de interesse científico contínuo devido à popularidade e frequência do seu consumo no mundo inteiro", afirma Linda Van Horn, Ph.D., RD, professora e chefe da Divisão de Nutrição do Departamento de Medicina Preventiva da Universidade Northwestern em Chicago e membro do Comité de Nutrição da Associação Americana do Coração. Os estudos que relatam associações com resultados permanecem relativamente limitados devido a inconsistências na avaliação da dieta e metodologias analíticas, bem como problemas inerentes com a ingestão dietética auto-relatada.

Beber café está associado a menor risco de insuficiência cardíaca

 

Kao e os seus colegas usaram a aprendizagem da plataforma de medicina de precisão da American Heart Association para examinar os dados do estudo ‘Framingham Heart Study’ e compará-los com os dados dos estudos ‘Risk Atherosclerosis in Communities’ e ‘Cardiovascular Health Study’ para ajudar a confirmar as suas descobertas.

Cada estudo incluiu pelo menos 10 anos de acompanhamento e juntos, os estudos forneceram informações sobre mais de 21.000 participantes americanos adultos.

Para analisar os resultados de beber café com cafeína, os investigadores classificaram o consumo zero, uma, duas e três chávenas por dia. Nos três estudos o consumo de café foi auto-relatado e nenhuma unidade de medida padrão estava disponível. Os resultados da análise revelaram que:

  • Nos três estudos as pessoas que revelaram ter bebido uma ou mais chávenas de café com cafeína por dia tinham um risco associado de insuficiência cardíaca diminuído a longo prazo.
  • Nos estudos de Framingham Heart e Cardiovascular Health, o risco de insuficiência cardíaca ao longo das décadas diminuiu entre 5 a 12% por chávena de café por dia, em comparação com a ausência de consumo de café.
  • No ‘Estudo de risco de aterosclerose nas comunidades’, o risco de insuficiência cardíaca não mudou entre zero e uma chávena de café por dia, no entanto, foi aproximadamente 30% menor nas pessoas que beberam pelo menos duas chávenas por dia.

Curiosamente, beber café descafeinado pareceu ter o efeito oposto sobre o risco de insuficiência cardíaca. Ou seja, aumentou significativamente esse risco no estudo Framingham Heart. Já no ‘Estudo de saúde cardiovascular’ não houve aumento ou diminuição no risco de insuficiência cardíaca associado ao consumo de café descafeinado. Quando os investigadores examinaram isto mais detalhadamente, descobriram que consumir cafeína de qualquer fonte parecia estar associado a um menor risco de insuficiência cardíaca e a cafeína era pelo menos parte da razão para o aparente benefício de beber mais café.

Beber café está associado a menor risco de insuficiência cardíaca

 

“A associação entre a cafeína e a redução do risco de insuficiência cardíaca foi surpreendente. Café e cafeína são visto pela população em geral como maus para o coração porque as pessoas os associam a palpitações, pressão alta etc. A relação entre o aumento de consumo de cafeína e a diminuição do risco de insuficiência cardíaca, muda essa suposição", disse Kao.

“No entanto, ainda não há evidências claras o suficiente para recomendar o aumento de consumo de café para reduzir o risco de doenças cardíacas com a mesma força e certeza como parar de fumar, perder peso ou praticar exercício".

De acordo com as recomendações dietéticas, beber três a cinco chávenas de café de 240 ml por dia pode fazer parte de uma dieta saudável mas isso só se aplica ao café puro. A American Heart Association alerta que as bebidas populares à base de café como lattes e macchiato costumam ser ricas em calorias, açúcar e gordura. Além disso, apesar dos seus benefícios, a pesquisa mostrou que a cafeína pode ser perigosa se consumida em excesso e que que as crianças devem evitar a cafeína. A Academia Americana de Pediatria recomenda mesmo que as crianças evitem bebidas com cafeína.

“Embora a causalidade não possa ser comprovada, é interessante como estes três estudos sugerem que beber café está associado a um menor risco de insuficiência cardíaca e que o café pode fazer parte de um padrão alimentar saudável, se consumido sozinho, sem adição de açúcar e outros produtos lácteos gordurosos como natas", disse Penny M. Kris-Etherton, Ph.D., RDN, ex presidente do Comité de Liderança do Conselho de Saúde Cardiometabólico e Estilo de Vida da American Heart Association, professora de Ciências Nutricionais da Universidade Evan Pugh e professora distinguida de nutrição na Universidade Estatal da Pensilvania, Faculdade de Saúde e Desenvolvimento Humano na Park University.

Resumindo: podemos saborear o café com moderação e como parte de um padrão alimentar saudável para o coração desde que também atendamos às recomendações de frutas e vegetais, grãos inteiros, lacticínios com baixo teor de gordura e que também sejam saturados com baixo teor de sódio, gordura e açucares adicionados.

Além disso, é importante ter em conta que a cafeína é um estimulante e que consumi-la em demasia pode ser problemático, o que causa nervosismo e problemas para dormir.

As limitações do estudo que podem ter afectado os resultados da análise incluíram diferenças no tipo de café consumido. Por exemplo, café pingado, expresso, francês tal como a origem dos grãos de café ou detalhes de ser café filtrado ou não filtrado, não foram especificados. Também pode haver variabilidade em relação à medida da chávena de café, ou seja, quantos mililitros por chávena, pois estes factores podem fornecer diferentes níveis de cafeína. Além disso, os investigadores alertam que os estudos originais detalhavam apenas café com cafeína ou descafeinado, portanto essas descobertas podem não se aplicar a bebidas energéticas, chás com cafeína, refrigerantes e outros alimentos com cafeína, incluindo chocolate.

Fonte: Laura M. Stevens, Erik Linstead, Jennifer L. Hall, David P. Kao. Association Between Coffee Intake and Incident Heart Failure Risk. Circulation: Heart Failure, 2021; DOI: 10.1161/CIRCHEARTFAILURE.119.006799

Arquivado em:

Os melhores videos