Egan Bernal: "Seria grave para o ciclismo não decorrerem as três Grandes Voltas"

O vencedor da Volta a França de 2019 reconhece que quase não tem treinado ("agora prefiro descansar e depois voltarei aos objetivos") e que não tem pensado no Tour.
EFE / Foto: Bettini -
Egan Bernal: "Seria grave para o ciclismo não decorrerem as três Grandes Voltas"
Egan Bernal: "Seria grave para o ciclismo não decorrerem as três Grandes Voltas"

O colombiano Egan Bernal (Team Ineos), vencedor da Volta a França 2019, assegurou enquanto cumpre a quarentena no seu país, que seria "grave para o ciclismo" se não ocorressem as três Grandes Voltas. "Tudo depende dos desenvolvimentos no coronavírus. Para o ciclismo, se não corrermos as três Grandes Voltas, isso será muito grave. Não sabemos quanto tempo vamos estar em quarentena, mas isto acabará em algum momento. O mundo está parado, mas qualquer dia voltará a rodar, bem como o desporto", destacou Bernal em diversas redes sociais.

O ciclista de Zipaquirá, de 23 anos, explica que "muitos patrocinadores investem dinheiro e estão agora afetados. Não creio que estejam contentes nesta fase, pois estão a pagar e nós não estamos a competir. Mas não há nada a fazer. Espero, pelo bem do ciclismo, que essas provas se disputem".

O campeão colombiano pronunciou-se acerca do adiamento dos Jogos Olímpicos, uma decisão que considera acertada. "Creio que é o melhor. Se os Jogos decorressem não estaríamos todos ao melhor nível. Esta paragem afeta-nos a todos. Quanto à Volta a França, se decorrer em julho, muitos ciclistas serão autênticas surpresas, pois algum favorito pode falhar, dado que a preparação não é a mesma".

SEM TREINAR

Egan Bernal confessou que tem estado em casa e que não tem treinado, "nem a parte física nem a parte mental". "Treinei bem para a París-Nice, tinha um pico de forma para essa altura, mas quando voltei à Colômbia e comecei a fazer rolos devido à quarentena, eu e o meu treinador decidimos que o melhor era descansar. Mais tarde voltarei a preparar os objetivos. Agora faço rolos durante uma hora ou uma hora e meia e quando voltarmos à estrada potenciarei as longas distâncias para que possa chegar bem à Volta a França, se esta se chegar a realizar".

Acerca da possibilidade de se realizar a Volta a França sem público, Bernal reconhece que apenas pensa na prova francesa quando alguém o relembra. "Não penso na Volta a França até alguém me lembrar. Procuro estar com as pessoas que me conhecem desde sempre e que me tratam como uma pessoa normal. Entendo que é importante para as pessoas e sobretudo para a Colômbia. Sou uma pessoa normal e não quero viver sendo conhecido como o Egan que ganhou a Volta a França".

Quando questionado acerca da crise do coronavírus, Bernal deixou claro que "é algo que nos afeta a todos e que devemos estar conscientes disso". "Não é algo que afete somente os ricos, todos estamos a ser afetados, mas temos de permanecer tranquilos. O Governo e o mundo encontrarão uma forma de podermos sair desta situação, mais tarde ou mais cedo. Isto é algo muito sério, por isso devemos ser cuidadosos".