comitium

Comparativo Scott Spark 910 vs Spark RC Team Issue AXS

A Scott Spark já conquistou muitos corações desde a sua apresentação no Verão passado... mas.... quão diferentes são as versões RC e 910? São totalmente compatíveis para o mesmo utilizador? Vamos tentar responder a estas perguntas.

HÉCTOR RUIZ / FOTOS: CÉSAR CABRERA

Comparativo Scott Spark 910 vs Spark RC Team Issue AXS
Comparativo Scott Spark 910 vs Spark RC Team Issue AXS

A popularidade alcançada pela Spark em menos de um ano poderia ser descrita como um sucesso, uma bicicleta para a qual todos estão a olhar quando se trata de tecnologias e tendências de ponta. Mas tão grande tem sido o “hype” causado pela versão mais focada na competição para XC/XCM, a RC, que a sua irmã gémea da série 910, mais focada no Trail, tem sido um pouco ofuscada pela "outra" Spark em mercados muito competitivos como o nosso.

A Scott já explicou que as diferenças entre uma e outra são palpáveis e a 910 tem todos os ingredientes para se destacar na sua categoria, não sendo exatamente a mesma bicicleta que a RC, embora o quadro seja o mesmo. Sabes qual das duas te serviria melhor, tens a certeza de que a RC por quem estás apaixonado é para ti, se na verdade não vais competir? A 910 é adequada para participar nas maratonas? Onde estão realmente as diferenças? Respondemos a estas perguntas comparando a versão 910 com a RC Team Issue AXS, ambas no mesmo escalão de preços (5.799,99 euros e 5.499,99 euros, respetivamente). O resultado foi que encontrámos três diferenças principais: suspensão, componentes e geometria. Vamos dar uma vista de olhos a cada um deles. 

É difícil de apreciar à primeira vista, mas os amortecedores diferem no volume das suas câmaras de ar.

Quando se muda de uma Spark para outra, a primeira coisa que realmente se nota e que marca as diferenças e o carácter de cada uma delas é o comportamento do sistema de amortecimento. Obviamente é influenciado pelos componentes (guiador, pneus...), mas eles estabelecem o ponto de partida que determinará a direção de ambos os modelos, independentemente dos periféricos em que nos “encaixamos”. 

SUSPENSÃO

O erro ao comparar a suspensão da 910 com a da RC é reduzir estas diferenças ao facto de a primeira ter mais curso. Sim, tem mais 10 mm de curso (130 mm), mas para além disso, o comportamento hidráulico da Fox 34 Float que equipa este modelo - ou da RochShox Pike ou Judy à medida que descemos no catálogo - difere do de uma SID de 120 mm como a montada na versão RC (ou Fox 32 SC e 32 em outros modelos). A principal diferença, para além do curso, é que as suspensões adaptadas à Spark 900 são concebidas para serem menos firmes, mais reativas e mais suaves. E, portanto, têm um controlo hidráulico menor quando andamos com elas no modo aberto, pelo que tendem a mover-se um pouco mais com a pedalada, especialmente se for em subida e com cadências altas.

Requerem mais uso do bloqueio quando entramos em modo de "corrida", tanto em subida como em terreno plano. O curso também é obviamente percetível, embora apenas 10 mm possam não soar a muito. A sensação mais suave e viva do sistema hidráulico significa que há mais milímetros a subir e a descer sobre pequenas colisões ou oscilações do terreno, e acima de tudo, é ainda mais percetível quanto mais exigentes e técnicos forem os nossos percursos e quanto mais levamos a bicicleta ao limite. Aqui, a suspensão é mais clemente e os impactos repentinos são mais bem geridos, tornando a bicicleta mais estável na parte da frente e mais fácil de seguir a linha. O peso desta bicicleta deve-se ao curso maior da suspensão, mas não é um incremento excessivo. Esta Fox pesa menos de 1750g, cerca de 60-70g mais do que a SID testada, com 1680g.

AMORTECEDOR

Eis a surpresa oculta: os modelos 900 estão equipados com o mesmo curso de 120mm que a Spark RC, mas com uma câmara de maior volume de ar. O resultado é que, precisamente ajustado ao nosso peso como na RC, afunda mais e trabalha mais tempo na zona intermédia do curso do que o montado na sua irmã de competição (independentemente de ser Fox, RockShox ou outra marca como a X-Fusion presente nos modelos mais baratos da 900). Com isto, notamos uma sensação mais viva no terreno, é mais sensível face às oscilações, o que é mais evidente quando pedalamos em trilhos e caminhos fáceis.

Mas também proporciona uma tração maior em trilhos complicados e técnicos na 910, reafirmando a sua capacidade todo-o-terreno. Poderíamos reduzir o sag aumentando a pressão para dar ao amortecedor da 910 uma sensação de XC, mais firme, mas isto seria relativo, uma vez que a câmara de ar negativa é autorregulada e aumenta proporcionalmente, pelo que ainda teríamos um amortecedor menos firme do que na RC, mas agora um pouco menos sensível e mais seco sob compressões fortes.

Não só a suspensão tem mais 10 mm que a 910, como o seu sistema hidráulico faz a diferença.

Os componentes são a parte mais fácil e barata de modificar de uma bicicleta para outra, e é por isso que são a primeira coisa que os fabricantes - e os utilizadores - trocam. Naturalmente, a Spark 910 é mais orientada para o Trail do que a RC, e isto reflete-se nos seguintes pontos. 

COCKPIT 

Estamos a referir-nos ao conjunto de guiador Syncros, que é mais curto e mais largo na 910. Ambos montam o guiador Fraser e as diferenças não são abismais: 20 mm de diferença, embora o mais relevante seja a sua elevação de 8 mm, o que lhe dá o nome de "Mini Riser", enquanto o guiador da RC é completamente plano. O mais curioso é que esta elevação não é conseguida com as curvas características de um guiador elevado, mas com a inclinação de todo o guiador, e embora as suas especificações sejam as mesmas (8º para trás, 6º para cima) visualmente cria a sensação de ser muito diferente. O avanço é 10 mm mais curto na Spark 910, passando a 60 mm em vez dos 70 mm da RC. E aqui algo semelhante acontece com o guiador, também varia em altura, pois na 910 temos 0º de inclinação enquanto na RC tem -12º. Tudo isto significa que na 910 temos uma posição mais descontraída e uma sensação mais estável e que a RC funciona melhor em subidas inclinadas, uma vez que carregas o peso mais para a frente. 

COMANDO TWINLOC 

São os mesmos comandos, exceto na 910, pois possui uma terceira alavanca para controlar o espigão de selim telescópico (que é montado de série, ao contrário da RC), sem termos de acrescentar uma patilha extra no guiador com a respetiva braçadeira e com as dificuldades habituais em encontrar uma posição onde todos possam coexistir sem tropeçar uns nos outros. É preciso habituarmo-nos devido à sua maior complexidade, já que o polegar, por vezes inadvertidamente, vai diretamente para a alavanca do espigão de selim telescópico em vez do bloqueio, embora se já estivermos habituados ao TwinLoc tradicional seja mais fácil.

TRAVÃO TRASEIRO 

Tendo testado ambas as bicicletas em condições muito exigentes, a travagem na 910 provou ser tão superior que pensámos que estava equipada com travões de quatro pistões. Mas não, acontece que ambas as bicicletas Spark estão equipadas com os mesmos travões de dois pistões Shimano XT 8100, mas a 910 tem um travão traseiro de disco de 180mm em comparação com a RC, com 160mm, e também tem pastilhas com sistema dissipador de calor Ice-Tech, enquanto a RC tem pastilhas convencionais.

PNEUS

Visualmente, as diferenças são muito grandes e talvez pudéssemos chegar a pensar que este é um dos maiores contrastes entre as duas Spark. E são diferentes, sem dúvida, embora aqui tenhamos de salientar que os pneus Schwalbe Wicked Will montados na 910 não perdem tanto desempenho em terreno rolante e compacto - têm uma boa condução, acima das expetativas - mas ganham em terreno muito acidentado e técnico e também em condições de chuva.

Os Schwalbe da 910 podem ser usados com menos pressão, uma vez que têm uma carcaça ligeiramente mais resistente, um ponto positivo para eles. Também optámos por um composto Addix Speed Grip médio na retaguarda e um composto Speed Soft suave na frente, sendo este último mais aderente em terreno rápido. Gostamos da sua aderência e tem tacos muito altos para uma bicicleta com estas características, embora seja verdade que talvez com um composto ligeiramente menos macio nesta roda dianteira a bicicleta rolaria um pouco melhor em estradões. As diferenças de peso em relação aos Maxxis da RC também não são muito grandes, embora existam algumas. Pouco mais de 800g no Schwalbe (820g) e 750g no Maxxis, cerca de 120-140g se juntarmos as duas rodas.

A Spark RC não traz um espigão de selim telescópico de série. A 910 traz versões de 125 ou 150 mm, dependendo do tamanho. 

GEOMETRIA

Se a Spark RC já pode ser considerada muito moderna e arrojada em termos de algumas das suas dimensões, tais como o ângulo de direção de pouco mais de 67°, a conversão para o modelo 910 deixa-nos com alguns números impressionantes, tais como uma direção abaixo dos 66° ou um comprimento entre eixos que excede os 1,20 m (no tamanho L). Estas diferenças devem-se não só ao aumento do curso da suspensão, mas também à utilização de uma direção de copo excêntrico no modelo 910, o que proporciona um ângulo ainda mais aberto. Esta é a solução da Scott para modificar o triângulo dianteiro, minimizando o impacto no triângulo traseiro.

Desta forma, o tubo do selim, que sofre sempre os danos colaterais das alterações de geometria (especialmente com sistemas do tipo FlipChip no braço oscilante), nesta ocasião varia muito pouco, apenas 0,2°, embora em andamento as diferenças sejam um pouco maiores, pois tem um amortecedor que afunda alguns milímetros mais do que o da Spark RC. A 910, tendo uma direção excêntrica, permite-nos inverter a orientação dos copos para modificar o ângulo e verticalizá-lo um pouco, no caso de querermos um comportamento mais rolante. No entanto, não são apenas os ângulos que são responsáveis pela diferença entre as duas bicicletas, mas também a posição de condução está em sinergia com cada bicicleta. Como a 910 tem uma posição de condução mais alta e mais recuada, a direção fica mais relaxada e mais alta, de modo que mesmo com o guiador na sua posição mais baixa (tentando igualá-lo em ambas as bicicletas) a sensação na 910 é sempre mais recuada, estável e segura, pedindo ritmos mais elevados a descer.

CONCLUSÃO

Ambas se baseiam no mesmo quadro, o que a priori envia a mensagem de que são basicamente a mesma bicicleta, mas com periféricos diferentes. E embora isto seja basicamente verdade e ambas se sobreponham no tipo de utilização que podemos fazer com cada uma, ficámos um pouco surpreendidos ao ver como, no final, a 910 difere mais da sua irmã RC do que pensávamos inicialmente. Quanto mais nos “esticamos” em cada um dos modelos, quer estejamos a pedalar a um ritmo elevado ou a descer em terreno muito técnico, mais clara é a diferença entre os dois modelos, e sobretudo, onde um modelo se destaca mais do que o outro.

São compatíveis para o mesmo betetista? Ambos representam o BTT moderno, cada vez mais centrado em descidas divertidas e grandes desafios técnicos. Mas cada uma destas bikes tem a sua vocação específica: a RC é perfeita para aqueles que treinam frequentemente, falam de watts ou de registos pessoais nas suas conversas e gostam de colecionar dorsais. A Spark 900 é perfeita para aqueles que não viram as costas à ocasional maratona, mas cujo dia a dia, ou semana a semana, é menos exigente em termos de objetivos. Esta conclusão não é uma surpresa, mas talvez não seja supérfluo incluí-la. Para que conste, o peso é de 11,81 kg para a Spark RC e 12,78 kg para a Spark 910 (no tamanho L, sem pedais), quase um quilo a mais para esta última, portanto, se este fator é crucial nas tuas decisões, a escolha está feita.

Agora vamos assumir um cenário "real": queres uma Spark RC, mas é-te proposta uma Spark 900 (devido à falta de stock de RC, desconto, compra em segunda mão... o que quer que seja). Poderia funcionar? Sim, só tens de fazer algumas modificações nos componentes (avanço, guiador, pneus) para procurar um comportamento mais rolante e de corrida, e também assumindo que as suspensões são mais confortáveis e, portanto, com um pouco menos de desempenho para a competição. Graças à tecnologia TwinLoc e NUDE, poder pedalar com o amortecedor regulado para somente 80 mm compensa um pouco esta personalidade mais viva - de facto passámos mais tempo a pedalar no modo de Traction Control na Spark 910 do que na Spark RC. E agora para o cenário oposto: será suficiente uma Spark RC para alguém que quer fazer trilhos mais agressivos? A resposta é semelhante, mas em sentido inverso. Não haveria grandes problemas, de facto com a sua geometria moderna, se tiveres um bom kit de unhas poderás divertir-te muito, embora a suspensão seja mais firme e mais seca do que o ideal. 

Arquivado em:

Comparativo suportes de bicicleta para bola de reboque

Relacionado

Comparativo suportes de bicicleta para bola de reboque

comparativo de pneus

Relacionado

Estás a pensar comprar uns pneus de BTT novos? Lê o nosso comparativo

Teste: nova Scott Spark 2022

Relacionado

Teste: nova Scott Spark 2022

Teste Scott Addict eRide 10 (com vídeo)

Relacionado

Teste Scott Addict eRide 10 (com vídeo)

Scott renova a Foil RC

Relacionado

Scott renova a Foil RC

Nossos destaques