comitium

Miguel Ángel López: "O melhor que fiz foi sair da Movistar"

Numa conferência de imprensa, o colombiano - que regressou à Astana - abordou o tema da sua saída da equipa Movistar.

Miguel Ángel López: "O melhor que fiz foi sair da Movistar"
Miguel Ángel López: "O melhor que fiz foi sair da Movistar"

A polémica que envolve a saída de Miguel Ángél López da Movistar continua a dar que falar. O colombiano esteve numa conferência de imprensa virtual onde abordou o tema e não foi nada simpático com a equipa espanhola. 

O ciclista que na próxima temporada vai voltar a representar a Astana Qazaqstan Team comentou os motivos que o levaram a sair da formação World Tour espanhola e explicou que "foram vários os motivos e a soma deles fez transbordar o copo de água, por isso a melhor decisão que poderia tomar era abandonar a Movistar. Há quem pense que o que eu fiz foi uma falta de respeito, mas é fácil falar. Eu acho que o mais importante é estar onde nos sentimos bem, onde todos nos apoiam e onde exista um bom ambiente, sem tensão nem egoísmo. Acho que devemos estar onde somos valorizados, onde possamos brilhar e fazer as coisas bem".

A decisão de López de abandonar a Volta a Espanha ocorreu - lembramos - dias depois de ser anunciada a sua renovação de contrato por mais duas temporadas com a equipa espanhola, uma renovação que já tinha sido confirmada e o contrato assinado semanas antes. "Eu já tinha renovado o contrato e aconteceram coisas, detalhes que fui descobrindo aos poucos: não ir aos Jogos Olímpicos; sair do Tour, não por decisão minha, mas da equipa; na Vuelta houve momentos com muita tensão ao partilhar a liderança. Na Movistar isso sempre aconteceu com o Nairo Quintana e com o Landa também. Eu cheguei a sentir essa mesma tensão, e sabendo que tinha mais dois anos de contrato por cumpir, preferi fazer o que fiz e tomar outro caminho", disse López que reconheceu ambicionar ir aos Jogos Olímpicos, mas salientou que a equipa o convenceu que não era boa ideia, com o objetivo de que o colombiano se focasse na preparação para a Volta a Espanha. 

Uma das perguntas feitas ao colombiano tem a ver com a suposta atitude da equipa face aos sul-americanos. "Não sei o que dizer. Vocês, os fãs, o público, cada um tem uma opinião diferente. Vendo de outro ponto de vista, se analisarmos tudo o que foi dito e escrito, onde há fumo, há fogo. Estive lá, ganhei corridas e algo se passa. Não sei o quê, mas por algum motivo não quis continuar ali", respondeu López, que acrescentou: "Creio que as coisas acontecem por algum motivo. Agora estou noutra equipa e a Movistar é um capítulo encerrado, não vale a pena continuar a falar desse tema. Agora só penso no meu futuro com a Astana e trabalho para continuar a ser o ciclista que todos conhecem".

Embora a sua saída da Movistar tenha sido polémica, López considera que a sua temporada com a Movistar foi boa: "Apesar de tudo o que se passou, a minha temporada foi boa. Com a Movistar fiz as coisas bem e consegui quatro vitórias, entre elas, a única que eles conseguiram numa grande Volta". Além disso, agradeceu a Eusebio Unzué pela oportunidade que lhe deu e também aos gregários da equipa: "É uma pena que o trabalho que os gregários fizeram não tivesse sido recompensado com a vitória na Volta a Espanha, por exemplo. O seu trabalho foi impecável e é uma pena que não se tenham mais resultados por outros motivos. Não se lhes pode retirar esse mérito, tal como o staff, massagistas, mecânicos... Aqui, o que aconteceu foi que a equipa não soube gerir bem e não nos deixou ir mais além".

Agora, o colombiano enfrenta com otimismo uma nova temporada na Astana, equipa que já representou durante seis anos (entre 2015 e 2020). E reconhece que as negociações com a equipa cazaque não foram difíceis: "É bom saber para onde vamos e como é que a equipa funciona. Não houve problemas e no dia seguinte à polémica na Vuelta já estava em negociações com a Astana. Foi a minha casa no passado e confiam em mim". 

Acerca da sua preparação para a temporada 2022, o colombiano explicou que "está a correr bem. Tive um período de descanso longo e isso deu-me muita energia. Estou já a começar a preparar a próxima temporada, com o olhar fixo nas Grandes Voltas. Este ano estive mais perto do Primoz Roglic. Mas temos de trabalhar mais a parte do contrarrelógio, apesar de eu já ter melhorado, contudo tenho de concentrar mais a preparação neste aspeto dado que os restantes ciclistas estão num patamar muito superior". 

Arquivado em:

Miguel Ángel López está infetado com COVID-19

Relacionado

Miguel Ángel López está infetado com COVID-19

Miguel Ángel López poderá estar de saída da Movistar

Relacionado

Miguel Ángel López poderá estar de saída da Movistar

Miguel Ángel López assina pela Movistar

Relacionado

Miguel Ángel López assina pela Movistar

Miguel Ángel López vai deixar a Astana no final da temporada

Relacionado

Miguel Ángel López vai deixar a Astana no final da temporada

Os melhores videos