comitium

Figueiredo ganha em Miranda do Corvo e é o novo líder da Volta a Portugal

O ciclista da Glassdrive-Q8-Anicolor ganhou na nova subida ao Observatório de Vila Nova e passa a liderar a classificação geral, destronando o seu colega de equipa Mauricio Moreira.

Figueiredo ganha em Miranda do Corvo e é o novo líder da Volta a Portugal
Figueiredo ganha em Miranda do Corvo e é o novo líder da Volta a Portugal

Frederico Figueiredo é o novo comandante da Volta a Portugal. O ciclista da Glassdrive-Q8-Anicolor era apontado o grande favorito para esta jornada, devido à dificuldade extrema da última subida em Miranda do Corvo e confirmou os seus dotes de trepador ganhando a jornada. Com esta vitória, passou a liderar a corrida após esta quinta etapa. 

Mauricio Moreira, o líder da equipa de Rúben Pereira, mostrou algumas debilidades nos últimos quilómetros da subida, mas teve a preciosa ajuda do seu colega de equipa António Carvalho, minimizando o tempo perdido. Acabou em quarto lugar. 

Os últimos 10 km foram sempre em subida, com uma pendente média de 8.3% e com rampas acima dos 15%. A Glassdrive-Q8-Anicolor adotou uma tática perfeita, impondo um ritmo alto, evitando ataques e a sensivelmente 4 km da meta Frederico Figueiredo atacou. Foi nessa altura que Moreira claudicou. Henrique Casimiro (Efapel Cycling) demonstrou estar com grandes aspirações nesta Volta a Portugal e conseguiu ficar em segundo na etapa. Também Luís Fernandes (Rádio Popular-Paredes-Boavista), um trepador exímio e um dos poucos que consegue dar luta na alta montanha, conseguiu manter-se no grupo da frente e acabou em terceiro. 

Destaque ainda para a combatividade de André Cardoso (ABTF Betão-Feirense) e do norte-americano Barry Miler (BAI Sicasal-Petro de Luanda). 

Feitas as contas, Figueiredo tem sete segundos de vantagem sobre o seu colega de equipa Mauricio Moreira e 38 segundos sobre Luís Fernandes. "Saímos com vários planos. A etapa foi muito rápida desde o momento da saída e houve muitas tentativas de fuga. A meio tive um percalço, o selim baixou, mas correu tudo bem. Mudámos de Camisola Amarela, mas continuamos com o mesmo objetivo. O nosso líder é o Mauricio, tenho a certeza que vai sair daqui com a vitória", referiu Figueiredo na flash interview. 

DETALHES DA JORNADA

Depois do dia de descanso, o pelotão iniciou nesta quarta feira na Mealhada a quinta etapa e foi recebido com pompa e circunstância, incluindo leitão e samba (proporcionado pela Associação do Carnaval da Bairrada). Festa rija para assinalar o regresso da Volta à cidade que há 44 anos não via partir uma etapa.

Foi também a oportunidade para o município homenagear o antigo ciclista Herculano Oliveira, natural da região, um dos poucos que conseguia bater Joaquim Agostinho na Serra da Estrela e por isso ganhou a alcunha de “Andorinha das Penhas”. À hora de almoço, o pelotão lá deixou a Mealhada rumo a Miranda do Corvo. Foram 164,7 km feitos a um ritmo elevado até à subida final.

Nunca houve intenção de deixar uma fuga ganhar grande vantagem. Ainda com pelotão compacto, João Matias (Tavfer-Mortágua-Ovos Matinados) foi à Meta Volante de Cantanhede somar os cinco pontos do primeiro lugar, com o rival na luta pela Camisola Verde Rubis Gás, Scott McGill (Wildlife Generation Pro Cycling), a ser segundo e a ficar com três pontos.

Matias mantém-se na liderança da Classificação por Pontos. Sensivelmente ao quilómetro 80, oito corredores conseguiram finalmente ganhar vantagem: Robin Carpenter (Human Powered Health), Juan López Cózar (Burgos-BH), Unai Iribar (Euskaltel-Euskadi), Gaspar Gonçalves (Efapel Cycling), António Barbio (Tavfer-Mortágua-Ovos Matinados), Hugo Nunes (Rádio Popular-Paredes-Boavista), António Ferreira (Kelly-Simoldes-UDO) e José Maria Garcia (Electro Hiper Europa-Caldas). O pelotão nunca lhes deu grande espaço. António Barbio venceu a Meta Volante de Condeixa-a-Nova e Jose Maria Garcia a da Lousã.

Na única subida categorizada (quarta), antes da final, Hugo Nunes passou em primeiro em Miranda do Corvo, sendo que a meta coincidia com contagem de primeira categoria. Ao ser quarto classificado, Maurício Moreira perdeu a Amarela Continente, mas manteve a Camisola das Bolinhas Europcar, símbolo de Rei dos Trepadores. Na juventude, a Camisola Branca Jogos Santa Casa continua com o espanhol da Caja Rural-Seguros RGA, Jokin Murguialday.

SEXTA ETAPA SERÁ PARA OS SPRINTERS

Esta quinta-feira, os sprinters terão nova oportunidade para medir forças na chegada à cidade da Maia por volta das 17h30. As características do percurso de 159,9 km perspetivam uma chegada em bloco, mas também pode vingar uma fuga. Haverá um circuito na cidade e o vencedor será conhecido após a segunda passagem pela zona de meta. A sexta etapa vai começar em Águeda, às 13h20. Depois de o pelotão abandonar a “Capital da Bicicleta” haverá três metas volantes: Oliveira de Azeméis (59,1 km), Santa Maria da Feira (76,9) e Gondomar (122,5). Os prémios de montanha serão de quarta categoria em Santa Maria da Feira (81,3) e de terceira na Serra de Santa Justa (129,1).

Arquivado em:

Volta a Portugal 2022 etapas, equipas, destaques

Relacionado

Volta a Portugal 2022: etapas, equipas, destaques

Volta a Portugal começa em Viseu em 2023

Relacionado

Volta a Portugal começa em Viseu em 2023

Etapa da Volta teve 850 participantes

Relacionado

Etapa da Volta teve 850 participantes

João Matias soma segunda vitória com sprint pujante em Viseu

Relacionado

João Matias soma segunda vitória com sprint pujante em Viseu

Mauricio Moreira ganha na Torre e é o novo camisola amarela

Relacionado

Mauricio Moreira ganha na Torre e é o novo camisola amarela

Nossos destaques