comitium

10 momentos altos dos Campeonatos do Mundo de Les Gets

Les Gets foi o epicentro do BTT durante alguns dias, recebendo os Campeonatos do Mundo. Neste artigo mostramos aqueles que foram, para nós, os 10 momentos mais importantes. .

MIGUEL LORENZO E CARLOS PINTO. FOTOS @FRABANVISUALS

10 momentos altos dos Campeonatos do Mundo de Les Gets
10 momentos altos dos Campeonatos do Mundo de Les Gets

1. NINO SCHURTER, DÉCIMO TÍTULO MUNDIAL

schurter 10 claves de los campeonatos del mundo de les gets 33
 

A prova de XCO masculina foi uma batalha incrível entre vários corredores, com mudanças de liderança em várias ocasiões, com David Valero, Nino Schurter e Tom Pidcock a serem os principais protagonistas. Na última volta, Schurter atacou e só o espanhol conseguiu seguir a sua roda. O suíço voltou a demonstrar que quando está em forma é imparável e tem uma leitura da corrida impressionante, antecipando os movimentos dos seus adversários. Com esta vitória, assegurou o seu décimo título mundial. Valero cortou a linha de meta com um atraso de somente 9 segundos, tendo a medalha de bronze ficado para o italiano Luca Braidot. Schurter tornou-se uma lenda no BTT, tal como foram Thomas Frischknecht, John Tomac, Rune Hoydahl, Julien Absalon, Jose Antonio Hermida, entre outros. 

2. VALERO ROÇOU O ARCO-ÍRIS

valero 2 10 claves de los campeonatos del mundo de les gets 39
 

David Valero voltou a colocar o BTT espanhol num pedestal, após alguns anos em que a seleção espanhola andou à deriva por falta de resultados. Só um estratega como Nino Schurter conseguiu eliminar o sonho de Valero, que tentou nestes Mundiais, tal como em outras provas que assistimos, entrar na frente nas zonas técnicas finais. Mas Schurter tinha a lição bem estudada e sabia que não podia vacilar. Após a medalha de bronze olímpica, Valero soma agora a medalha de prata neste Mundial e vai lutar pela Taça do Mundo, certamente com muito mais confiança do que no passado. "Estou contente com o segundo lugar, mas tem um sabor agridoce. Na parte final faltou-me mudança de ritmo, mas estou feliz por conseguir esta medalha nas vésperas da última prova da Taça do Mundo". 

3. PAULINE FERRAND PREVOT CONSEGUE A PRIMEIRA DOBRADINHA

pauline 210 claves de los campeonatos del mundo de les gets 22
 

Pauline Ferrand-Prévot converteu-se na primeira betetista na história a ganhar os títulos de XCC e XCO nos Campeonatos do Mundo de BTT. A vitória na prova de Short Track foi monumental, por isso, a francesa encarou a prova de domingo (XCO) com mais confiança do que nunca. Liderou a primeira subida do percurso e a partir daí foi aumentando a sua vantagem. A certa altura tinha uma vantagem tão confortável que decidiu não arriscar mais nas descidas técnicas. "Foi uma corrida muito dura e tomei a decisão de usar uma bicicleta rígida devido às vantagens que proporciona nas subidas em termos de velocidade. Foi um pouco arriscado, mas queria ir muito rápido desde o início e ganhar margem. Esta vitória parece um sonho". 

4. FESTA FRANCESA NO DOWNHILL MASCULINO

dh fiesta francesa 10 claves de los campeonatos del mundo de les gets 10
 

O australiano Troy Brosnan tinha o melhor tempo numa altura em que só faltam chegar à meta 5 atletas. No entanto, quando Loic Bruni completou a sua descida, o placard mostrava que o francês tinha baixado em 4 segundos o melhor registo. Esta descida fez-nos lembrar as melhores descidas do atleta da Specialized em outras ocasiões, sendo pragmático, suave e enfrentando as linhas mais duras como se fossem um passeio no parque. O seu compatriota Loris Vergier também fez uma descida limpa, sem erros, mas mesmo assim ficou a 3 segundos de Bruni, enquanto Amaury Pierron foi o último a partir, fazendo o segundo melhor tempo, ou seja, foi um pódio totalmente francês. Com este resultado, Bruni é o quarto atleta da sua terra natal a envergar a camisola do arco-íris. "Esta temporada não tem sido a melhor, mas fiz tudo o que era possível para estar preparado para o Mundial. Gostei muito da prova e dei tudo o que tinha. Nunca tinha vencido em França e ainda por cima consegui ganhar os Mundiais, o que é uma loucura. Estou muito feliz."

5. VALI HOLL JÁ VENCE NA CATEGORIA ELITE

vli holl 10 claves de los campeonatos del mundo de les gets 7
 

No sábado, Vali Höll tornou-se a primeira campeã do mundo de downhill da Áustria, graças a uma descida "sem espinhas". Nina Hoffman chegou a estar na liderança com um tempo - aparentemente - difícil de bater. Isto numa altura em que só faltavam descer três atletas. A francesa Myriam Nicole foi a seguinte a partir do gate e no terceiro setor estava dois segundos à frente de Hoffman, no entanto perdeu muito tempo nos últimos setores do percurso, acabando no segundo lugar. Depois foi a vez da descida de Höll. Fez uma descida sem erros, bastante homogénea e conseguiu retirar 0.906 segundos ao melhor tempo, garantindo a medalha de ouro. A única atleta que poderia impedir o título de Höll era a suíça Camille Balanche, mas fez somente o quarto melhor tempo (lembramos que esta atleta regressou à pouco tempo ao Downhill após ter sido operada à clavícula). Aos 20 anos de idade, Höll não poderia estar mais contente: "Antes da prova, pensei que se ganhasse seria surreal, mas nunca pensei que fosse realmente possível. Nem sei como é que consegui andar tão rápido". 

6. MARTÍN VIDAURRE FOI BATIDO NOS SUB23

vidaurrre 10 claves de los campeonatos del mundo de les gets 17
 

O grande dominador da categoria sub23 nos últimos anos, o chileno Martin Vidaurre, não conseguiu despedir-se da categoria da forma como gostaria. Em Les Gets tentou destacar-se do grupo que estava na liderança, mas a sua vantagem não foi suficiente, facto que foi aproveitado pelo italiano Simone Avondetto e pelo francês Mathis Azzaro, que conseguiram apanhar o chileno e ultrapassá-lo, decidindo a vitória entre ambos. O italiano acabou por ser o vencedor. Também o suíço Luca Schatti conseguiu ultrapassar Vidaurre, deixando-o fora das medalhas. Na prova feminina, Line Burquier fez aquilo que já se antecipava, ganhando o título no seu primeiro ano na categoria sub23, ainda por cima um ano após ter vencido o título na categoria júnior. 

7. A DECEÇÃO DE TOM PIDCOCK

tom pidcock 10 claves de los campeonatos del mundo de les gets 9
 

Depois da forma como Pidcock ganhou os Campeonatos da Europa, todos esperavam que o britânico ganhasse o Mundial. No entanto, pode-se dizer que o "karma" desempenha um papel vital em alguns casos. Pidcock fez declarações que não caíram bem nos bastidores das equipas, dizendo que os atletas não treinavam o suficiente. Além disso, mostrou ter uma autoconfiança muito acima da média, o que pode ter ditado o defecho que todos vimos. Nesta prova, estiveram presentes atletas que não estavam no Europeu e que desempenharam um papel importante no desenrolar da corrida. Pidcock foi obrigado a fazer uma corrida de trás para a frente, o que o desgastou, mas rapidamente ocupou um lugar de liderança. Tentou atacar várias vezes, mas desta vez não conseguiu, dado que corredores como Valero, Schurter e Braidot responderam sempre às suas tentativas, e inclusive conseguiram deixá-lo em apuros, quando descolou. Sofreu dois percalços na zona mais técnica e um furo, descartando-o da luta pelas medalhas. Ficou muito frustrado e isso ficou visível quando teve de ir à zona de assistência da sua seleção. 

8. JOLANDA NEFF FEZ UMA LEITURA DA CORRIDA FENOMENAL

jolanda 10 claves de los campeonatos del mundo de les gets 21
 

Embora a grande dominadora na prova elite feminina tenha sido Ferrand-Prevot, todas as atenções estavam centradas na luta pelas medalhas de prata e de bronze. Se a quantidade de fãs atribuísse medalhas, Jolanda Neff tinha obtido a de ouro, tal era a legião de adeptos da betetista suíça. Jolanda foi, juntamente com Loana Lecomte, uma das atletas que seguiu o seu próprio ritmo, mas a suíça soube ler perfeitamente a corrida e protagonizou uma das suas conhecidas "marcha-atrás", deixando-se cair na classificação para estabilizar o ritmo cardíaco e recuperar o andamento certo. O objetivo era deixar a própria dureza do percurso eliminar atletas que estavam claramente num ritmo muito acima das suas capacidades e, no caso dela, fazer uma recuperação bem ao seu estilo, o que chegou a acontecer, subindo até ao segundo lugar. Voou nas zonas técnicas e demonstrou que é realmente uma atleta sobredotada. 

9. RAQUEL QUEIRÓS OBTÉM MELHOR RESULTADO DE PORTUGAL NO MUNDIAL

raquel queiros 12 a no mundial sub 23 de xco
 

Portugal tem neste momento duas atletas sub23 de altíssimo nível em Portugal, Raquel Queirós e Ana Santos, representando ambas equipas espanholas. Ana Santos ainda está a recuperar de um problema de saúde, portanto não foi convocada e Raquel Queirós é uma sobredotada, como provam a vitória na Volta a Portugal feminina em 2021, a geral da Taça de Portugal, o Campeonato Nacional e o nono lugar no Europeu. Neste Mundial foi 12ª, embora a 4m da vencedora, a francesa Lina Burquier, que liderou desde a segunda das seis voltas. A Raquel foi consistente ao longo da prova e caso se mantenha com este ciclo de provas internacional, ganhando ritmo, poderá evoluir muito mais. Foram os últimos Mundiais da Raquel nesta faixa etária e com resiliência e trabalho, não temos dúvidas de que tem estofo para chegar mais além.

10. GONÇALO BANDEIRA DE VOLTA À COMPETIÇÃO

Gonçalo Bandeira 31.º no Mundial de DHI
 

O jovem Gonçalo Bandeira esteve afastado destas lides algum tempo e o seu regresso brindou-nos com um 31º lugar na prova de Downhill Masculina. É o segundo melhor resultado de sempre de Portugal em Mundiais de DHI na categoria de elite masculina. Se tivermos em conta que a diferença entre o primeiro e o 31º é de apenas 11 segundos, dá para ter a noção de que esta modalidade anda no fio da navalha. O jovem lousanense tem experiência internacional e costuma treinar naquela que é a meca da modalidade, a Serra da Lousã, onde ocasionalmente recebe alguns dos melhores atletas do Mundo, inclusive alguns dos que estiveram em Les Gets. As lesões são frequentes nesta modalidade e o Gonçalo já tem a sua maquia para contar aos netos daqui a muitos anos, mas é atualmente um dos melhores atletas nacionais e que, com mérito, representou as cores lusas. “O Gonçalo fez uma boa corrida e conseguiu um dos melhores resultados de sempre para Portugal nesta disciplina. Ainda é jovem e a indicação que aqui deu hoje é a de que tem um grande futuro na modalidade”, disse o selecionador nacional, Pedro Vigário.

Arquivado em:

Raquel Queirós 12.ª no Mundial sub 23 de XCO

Relacionado

Raquel Queirós 12.ª no Mundial sub-23 de XCO

Gonçalo Bandeira 31.º no Mundial de DHI

Relacionado

Gonçalo Bandeira 31.º no Mundial de DHI

Nino Schurter ganha pela 10ª vez o Mundial de XCO

Relacionado

Nino Schurter ganha pela 10ª vez o Mundial de XCO

Artur Mendonça foi 45º nos Mundiais de Les Gets

Relacionado

Artur Mendonça foi 45º nos Mundiais de Les Gets

Nossos destaques