Os segredos da fibra de carbono

Como é óbvio, nem todos os quadros de fibra de carbono são iguais. Mas nem todos sabem que os mais caros não são os melhores em todos os aspetos.
Revista BIKE -
Os segredos da fibra de carbono
Os segredos da fibra de carbono

TAMBÉM TE PODE INTERESSAR:

›  Conheces os diferentes tipos de fibras de carbono?


 

Porque é que um quadro de fibra de carbono de gama alta chega a custar quase o dobro de um fabricado com um carbono menos elitista? Sabemos que um só fio de carbono é composto por milhares de filamentos - quer seja entrelaçado (1K, 2K...) quer seja unidirecional - pelo que o tipo de cruzamento destes fios determina as propriedades elásticas ou de resistência.  

Cuadros de fibra de carbono: Razones para elegir uno u otro

Devido aos inúmeros testes realizados, os fabricantes são capazes de produzir hoje em dia cada vez mais tipos distintos de filamentos, misturando outros componentes (ou seja, os composites). E dependendo desse outro material é possível alcançar uma grossura de filamentos menor com uma rigidez igual ou superior.  

Aqui entra em jogo a quantidade de investimento em Investigação e Desenvolvimento que cada marca quer e pode realizar juntamente com as marcas que fornecem o carbono. Filamentos mais finos mas mais resistentes dão como resultado um quadro com espessuras de parede mais finas, portanto é um quadro mais leve, mas com um processo de desenvovimento e produção bastante mais caro.  

Cuadros de fibra de carbono: Razones para elegir uno u otro

Além disso, um quadro de gama alta costuma conter habitualmente até 3 tipos de carbono diferentes, com um comportamento mais rígido ou mais flexível perante diferentes cargas e com uma elasticidade diferente consoante a zona onde são inseridos. 

Dependendo do tipo de carbono será necessária uma maior ou menor quantidade de resina para a sua construção. Quanto maior o módulo, menos resina é necessária, o que também se traduz em menos peso.  

Cuadros de fibra de carbono: Razones para elegir uno u otro

Mais resina é sinónimo de mais absorção e flexibilidade, motivo pelo qual um quadro de carbono com fibras mais económicas e mais resina (menor módulo) costuma ser mais confortável. Contudo, é precisamente neste ponto que os fabricantes estão atualmente a trabalhar, adotando resinas reforçadas com materiais complexos como as matrizes de nanotubos de carbono ou com grafeno, para reforçar os espaços ocos existentes entre os filamentos. São tecnologias muito caras destinadas a quadros de gama alta e com o objetivo principal de tornar os quadros mais leves, mas sem perder a resistência