Compatibilidade Shimano-SRAM: o que dizem as marcas e qual é a realidade

Aproveitamos uma pergunta de um leitor para clarificar algumas coisas acerca deste tema.
Ivan Mateos -
Compatibilidade Shimano-SRAM: o que dizem as marcas e qual é a realidade
Compatibilidade Shimano-SRAM: o que dizem as marcas e qual é a realidade

Um dos leitores da nossa revista BIKE enviou-nos um email a dizer que estava a pensar comprar uma bicicleta nova montada com transmissão SRAM GX. Ele referiu que nunca tinha usado esta marca e que estava mais habituado à Shimano, por isso perguntou se podia substituir os componentes.

A resposta é sim. Pode fazê-lo, bastando substituir o desviador traseiro e as manetes de mudanças. A cassete, a corrente e a cremalheira são compatíveis, embora nenhuma das duas marcas divulgue este facto, nem sequer o recomende. Aliás, não terás nenhum problema, desde que montes um grupo com as mesmas velocidades (um desviador Shimano funciona com uma cassete SRAM e viceversa, embora devas ter em conta que a precisão de comutação das mudanças não fica assegurada, nem sequer a durabilidade e muito menos a garantia de fábrica.

Tanto a Shimano como a SRAM apenas dão garantia se a totalidade dos elementos da transmissão forem da sua marca. Além disso, tanto a transmissão Eagle da SRAM como a Hyperglide+ da Shimano foram desenhadas especificamente para trabalharem em conjunto com as suas próprias correntes e com o design dos dentes da cassete, garantindo precisão, suavidade de comutação e desgaste reduzido. O único elemento que não é compatível é a cassete e o cubo, pois no caso concreto do SRAM GX e grupos superiores cada marca requer um cepo específico.