Vinokourov e Kolobnev, absolvidos de um suposto acordo na Liége de 2010

A acusação baseava-se numa teoria que defendia que o cazaque tinha pago 150.000 euros ao russo para que ele o deixasse ganhar. Ambos foram absolvidos por falta de provas.
Carlos Pinto
Vinokourov e Kolobnev, absolvidos de um suposto acordo na Liége de 2010
Vinokourov e Kolobnev, absolvidos de um suposto acordo na Liége de 2010

Os ex-ciclistas Alexandre Vinoukorov e Alexandr Kolobnev foram absolvidos pelo Tribunal Penal de Liége por um suposto caso de corrupção segundo o qual o cazaque teria entregue ao russo 150.000 euros em troca da cedência da vitória na Liége-Bastogne-Liége de 2010.

Segundo a investigação, o cazaque Vinoukorov, atual manager da Astana, tinha depositado a quantidade indicada na conta do - na altura - rival russo alguns meses depois da sua vitória nesta Clássica, pelo que a acusação solicitava uma sentença de seis meses de prisão aos dois ex-corredores, mais uma multa de 100.000 euros e 50.000 euros, respetivamente.

A corrida foi decidida com um ataque dos dois ciclistas a 17 km da meta. Os dois colaboraram com êxito para evitar que Philippe Gilbert os alcançasse. Já no último quilómetro, o ataque de Vinoukorov não teve resposta por parte de Kolobnev e o cazaque cruzou a linha de meta com seis segundos de vantagem sobre o russo. Após o julgamento ter sido adiado por duas vezes no passado mês de outubro, na manhã desta quarta feira os dois corredores foram finalmente absolvidos pois o tribunal considerou que continuam a existir dúvidas sobre a evidência apresentada pela acusação.

No seu argumento, os advogados declararam que os documentos apresentados, em particular a troca de mensagens entre os dois ciclistas, eram falsos ou pirateados.