Bicicletas roubadas a Gustavo Veloso foram recuperadas

O roubo de duas bicicletas ao ciclista galego da equipa W52-FC Porto - valorizadas em 11.500 euros -, ocorreu no dia 24 de maio. A Polícia Nacional espanhola deteve dois jovens com 28 e 19 anos, os quais irão agora a tribunal.
Agência EFE -
Bicicletas roubadas a Gustavo Veloso foram recuperadas
Bicicletas roubadas a Gustavo Veloso foram recuperadas

A Polícia Nacional recuperou em Vilagarcía de Arousa (Pontevedra) as duas bicicletas roubadas na semana passada ao ciclista galego Gustavo César Veloso, da W52-FC Porto.

A Polícia deteve dois jovens - um de 19 anos e outro de 28 - pela autoria do roubo. As duas bicicletas estavam valorizadas em 11.500 euros.

Veloso salientou que os autores do roubo acederam ao interior da sua habitação após saltar um muro de dois metros de altura. Uma das bicicletas pertencia à equipa profissional que representa - a W52-FC Porto - a qual além de ter as cores do clube estava montada no rolo de treino no momento do roubo.

Bicicletas roubadas a Gustavo Veloso foram recuperadas

A captura foi possível devido à chamada de um vizinho de Vilagarcía de Arousa que assegurou ter visto na garagem de uma habitação uma das bicicletas, que reconheceu após ter visto uma fotografia difundida pelo ciclista nas redes sociais.

Após aceder a essa garagem e recuperar a bicicleta, a Polícia Nacional localizou o dono desta garagem e deteve-o como autor do roubo. O detido declarou de forma espontânea aos agentes que a outra bicicleta estava na posse de um amigo seu, que foi localizado e detido.

As duas bicicletas foram devolvidas ontem a Gustavo Veloso. Lembramos que o ciclista, que fez 40 anos em janeiro, tinha previsto deixar a alta competição no próximo mês de agosto após 20 temporadas como profissional, mas numa recente entrevista à Agência EFE reconheceu que podería adiar a sua retirada até 2021 devido à pandemia do Covid-19. "No início do ano estava mentalizado de que este seria o meu último ano, mas agora temos de ver como será a temporada. Não quero passar no meu último ano mais dias no rolo do que a competir, isso seria deixar a bicicleta sem desfrutar dela, sem despedir-me da competição. Eu queria que este fosse o meu último ano, mas como ciclista. Continuo a pensar que este é o último ano, mas já não tenho assim tanta certeza".