Como otimizar a ergonomia no guiador

Um dos problemas mais frequentes no BTT é o adormecimento das mãos. Curiosamente, este problema é muito menos frequente nas bicicletas de estrada, onde a posição, digamos assim, é mais forçada. E porque é que isto acontece? O que é que podemos fazer para o evitar?
Yago Alcalde e Carlos Pinto -
Como otimizar a ergonomia no guiador
Como otimizar a ergonomia no guiador

O problema dos guiadores de BTT é que são pouco ergonómicos. O que é que significa ergonómico? Ergonómico é algo que é desenhado para se adaptar às nossas características anatómicas. E neste caso, o guiador foi desenhado sobretudo para o controlo da bicicleta e não para a nossa anatomia. A rotação do punho que acontece cada vez que agarramos no guiador e andamos de BTT faz com que não estejamos numa posição natural. A posição natural do punho é a que temos quando colocamos a mão num guiador de estrada, ou seja, quando a mão está alinhada com o braço.

Se quiseres podes experimentar isto: coloca-te na posição de ciclista (joelhos fletidos e tronco inclinado; agora comprova a tensão que aparece no pulso e no antebraço quando rodas o pulso para simular a posição de agarrar no guiador de BTT).

Esta posição em que a palma da mão está virada para baixo coloca muita pressão a nível nervoso nesta área, provocando os adormecimentos que referimos. Do ponto de vista ergonómico, os extensores de guiador ou "cornos", como apelidámos em Portugal, e que caíram em desuso, colocavam as mãos numa posição muito mais natural.

1> Se o teu guiador é semi-plano, tenta que a curva esteja virada para trás e não para cima. Se usas um guiador sobreelevado, faz o mesmo.

2> Usa punhos mais suaves de espuma ou de silicone para amortecer as vibrações.

3> Usar luvas com uma boa base de gel também reduz a pressão no nervo ulnar.

4> O uso de punhos ergonómicos que aumentam de grossura na extremidade fazem com que a palma da mão tenha uma maior superfície de apoio.

5> Conseguimos assegurar-nos de que não estamos a colocar muito peso nas mãos comprovando que a vertical do joelho face ao eixo do pedal não está demasiado adiantada quando o cranque está na posição horizontal. Podemos resolver isto subindo um pouco o guiador.