Dia Mundial da Bicicleta: o transporte pessoal perfeito na era pós-COVID-19

O Dia Mundial da Bicicleta chegou este ano num contexto que enaltece as suas vantagens e que a propõe como alternativa perfeita tanto para o lazer como para o transporte pessoal, e assinala a necessidade de uma implicação política que facilite e fomente a sua utilização.
Planeta 2030 e Carlos Pinto -
Dia Mundial da Bicicleta: o transporte pessoal perfeito na era pós-COVID-19
Dia Mundial da Bicicleta: o transporte pessoal perfeito na era pós-COVID-19

O Dia Mundial da Bicicleta chegou numa altura em que o nosso país e praticamente todo o mundo estão a reduzir as restrições de confinamento. E este dia tem particular importância pois incide em duas questões vitais: a necessidade de guardar distância social e evitar aglomerações, e a realidade das nossas cidades atuais que devido a este flagelo parecem quase vazias.

Após vários dias de silêncio, de aplausos nas varandas, de vermos cada vez mais os pássaros e outros animais a ocupar um espaço que já foi seu e que o homem aos poucos foi ocupando, transformando-o em cidades, vamos pouco a pouco entrando numa "nova normalidade" na qual temos de lutar com o objetivo de não retroceder em duas grandes frentes com as quais a humanidade se depara: a saúde e as alterações climáticas.

A par e passo, a dificílima situação económica que surgiu após este "shutdown" a nível global, faz-nos pensar no caos e nas terríveis consequências que o nosso país viveu nas crises financeiras anteriores.

A bicicleta é uma arma pessoal para preservar a nossa saúde e a do Planeta

A solução é reinventarmo-nos, procurar uma saída, com cidades mais amigas do ambiente e com um ritmo equiparável ao nosso. Se não o fizermos, nem a nossa saúde, nem o Planeta será sustentável a médio/longo prazo. Um dos objetos que parece ter caído do céu para nos ajudar a seguir esse caminho é a bicicleta, e é incrível como algo com pouco mais de dois séculos de existência possa ser a salvação do planeta. E não tenhas dúvida de que é.

As bicicletas evoluíram muito ao longo dos anos e hoje podemos encontrá-las de todas as formas, feitios e tamanhos, bem como elétricas para minimizar o esforço. Em qualquer das suas formas tem uma mensagem muito positiva para a sociedade durante e depois do COVID-19: move-te de forma ativa, evita contágios, cuida-te e cuida do planeta, diverte-te e pedala em segurança.

Dia Mundial da Bicicleta: o transporte pessoal perfeito na era pós-COVID-19

Na cidade, a bicicleta é um transporte ágil e cómodo. Foto: iStock

OS BENEFÍCIOS DA BICICLETA

É um meio de transporte ativo que proporciona a quem a utiliza nas suas deslocações habituais uma maior proteção do seu sistema cardiovascular, um aumento das defesas e um melhor estado anímico.

Permite salvaguardar o distanciamento social recomendado face ao COVID-19, pois quem anda de bicicleta no fundo anda em solitário, mantendo as distâncias, sem aglomerações.

É um meio de transporte que respeita o meio ambiente, pois não emite gases contaminantes, não gera contaminação acústica, nem necessita de outra energia do que a força das pernas.

É um meio ágil e rápido, dado que diversos estudos demonstraram que em distâncias inferiores a 10 km, é o meio de transporte mais rápido ao não ter de procurar estacionamento, nem esperar transportes públicos. Além disso, permite deslocações porta a porta.

É um meio que além de proporcionar uma saúde melhor, não compromete a segurança, reduz a necessidade de assistência sanitária derivada das doenças comuns e dos acidentes de trânsito, ajudando a não aumentar a pressão no sistema sanitário durante o COVID-19.

Por todos estes motivos, a WHO (World Health Organization) recomendou a utilização da bicicleta nas deslocações habituais "sempre que seja possível".

NECESSIDADE DE UMA INFRAESTRUTURA PARA A BICICLETA

Os números estão a favor da bicicleta e as suas vendas dispararam, tanto online como nas lojas físicas à medida que a reabertura (desconfinamento) ocorre.

Nas grandes cidades as bicicletas são a alternativa perfeita para evitar aglomerações no transporte público ou longas esperas devido à redução da lotação desses transporte. É uma alternativa saudável, sustentável e económica ao veículo privado.

Mas para que esse aumento do número de vendas de bicicletas não acabe encostado numa garagem ou arrecadação, os poderes políticos têm de entrar em ação e dotar as localidades de infraestruturas para a consolidar como meio de transporte habitual.

Algumas cidades já tomaram a iniciativa de aumentar o número de ciclovias e há países que estão a adotar medidas económicas como incentivos de compra. Portugal tem ativamente a decorrer uma campanha dessas através do Fundo Ambiental e Lisboa anunciou hoje a implementação de um fundo muito maior do que o do Fundo Ambiental. Mas é preciso mais, é preciso haver vontade política, concertação entre todas as partes e um plano a médio prazo que ligue ciclovias e ecopistas aos principais entrepostos, bem como aos aglomerados populacionais. É preciso haver locais próprios para guardar as bicicletas (estacionamentos), é preciso as empresas estarem recetivas.

Está provado que quem se desloca frequentemente para o trabalho de bicicleta tem menos problemas de saúde, logo uma taxa de absentismo mais baixa e um estado anímico mais "friendly". Não será isto que todos os empregadores querem?

Fazem falta infraestruturas, segurança e normas para que as bicicletas não acabem encostadas num canto

É necessário pensar em muito mais do que apenas ciclovias, parques de estacionamento e sinalética própria. É necessário reforçar normas e medidas de segurança, projetando o seu uso para além do tema do momento: "usar capacete, sim ou não."

É preciso favorecer o movimento de bicicletas em zonas periurbanas e entre localidades próximas sem a necessidade de arriscar a vida numa via sem proteção. É necessário reforçar a reciclagem de conhecimentos dos condutores e dos próprios ciclistas. Para tal, é necessária uma campanha de divulgação bem dimensionada e multi-plataforma.

E temos de ser realistas. Esta nova normalidade tem tudo para ser um grande aliado das duas rodas. Faz a tua parte e todos faremos a mudança.