Pressão máxima na roda: cuidado ao encher um pneu tubeless

As marcas sempre nos disseram que o pneu é que define qual é a pressão máxima que devemos colocar. Contudo, com as novas rodas em carbono ou noutros materiais igualmente leves, é o próprio aro que dita as regras.
Ivan Mateos e Carlos Pinto -
Pressão máxima na roda: cuidado ao encher um pneu tubeless
Pressão máxima na roda: cuidado ao encher um pneu tubeless

Já não é a primeira vez nem a segunda que vemos isto acontecer: alguém a montar uns pneus novos e a colocar a pressão máxima recomendada (4 bar), numas rodas cuja pressão máxima recomendada são 3 bar. Qual foi o resultado? O aro estalou, ficando com uma abertura que coloca em risco a integridade física do utilizador. Qual é então a solução? Devemos respeitar o limite imposto pelas marcas de pneus ou pelas marcas das rodas?

Devemos respeitar sempre o valor indicado pela marca da roda. Vejamos este exemplo: as rodas Shimano Deore XT M8000 têm aro em alumínio. São umas rodas para Cross Country (certamente já leste o teste na revista BIKE Portugal), desenhadas para um tipo de utilização concreta. O seu aro, que foi concebido tendo em conta a leveza, tem menos material onde não é necessário, para ser mais reativa e ágil. O peso de uma roda é provavelmente aquilo que mais se nota numa bicicleta, por isso é que existem este tipo de restrições.

Não te esqueças de que a pressão que deves colocar no pneu deve permitir uma boa aderência, firmeza e amortecimento. O problema é que para talonar o pneu no aro tubeless (pelo menos na primeira vez), é necessário encher um pouco mais. Se não tiveres cuidado, ou se usares um compressor, a pressão repentina pode chegar aos 5 ou 6 bar num instante, podendo danificar o aro, acontecendo aquilo que descrevemos anteriormente.

Por isso, muita atenção à pressão que estiveres a colocar, pois a "brincadeira" pode sair cara.