21 termos que deves conhecer para entender a tua bicicleta

Se ficas meio perdido quando ouves os nomes de algumas partes da bicicleta, deixamos-te aqui um pequeno resumo.
Carlos Pinto
21 termos que deves conhecer para entender a tua bicicleta
21 termos que deves conhecer para entender a tua bicicleta

1: Ângulo de selim: É o ângulo que o tubo vertical do quadro descreve em relação ao solo e deve ser medido a partir da zona traseira.

2: Ângulo de direção: Ângulo que o tubo de direção do quadro descreve face à linha horizontal.

3: Cranques: São os braços sobre os quais os pedais são montados. Servem de alavanca quando pedalamos, facilitando o movimento giratório das nossas pernas.

4: Distância entre eixos: Medida longitudinal entre cada eixo (roda dianteira e traseira). Esta medida deve ser tirada paralelamente ao solo e com as rodas alinhadas.

5: Entreperna: Comprimento da perna.

6: Espaçadores: São uns anéis separadores que intercalam entre o avanço e a direção. Servem para elevar ou baixar a altura do avanço e, portanto, do guiador.

7: Geometria: Conjunto de medidas e ângulos do quadro de uma bicicleta que delimitam as suas dimensões e comportamento.

8: Suspensão: É o sistema de amortecimento dianteiro, colocado entre a roda da frente e o quadro.

9: Guiador: É, digamos assim, o "volante" da bicicleta ou o cockpit que nos permite conduzir a bicicleta. É onde agarramos e onde estão localizadas as manetes de travão e de mudanças.

10: Medida real: Comprimento entre dois pontos (extremos) de um tubo. Chama-se real quando fomos nós que medimos e não uma marca (por vezes as medidas e os pesos apresentados pelas marcas não são os reais, mas sim aqueles obtidos pelos primeiros protótipos).

11: Medida virtual: Comprimento da projeção horizontal ou vertical de um tubo, medido entre as extremidades, sem importar a sua curvatura ou forma.

12: Pedaleiro: Parte do quadro que alberga os rolamentos do eixo sobre o qual gira o conjunto composto pelos cranques, cremalheiras e pedais.

13: Avanço: Componente do cockpit de condução que une o guiador à extremidade do tubo de direção da suspensão.

14: Carris do selim: São os pequenos tubos que suportam o selim. Estes tubos, por sua vez, servem de conexão com o topo do espigão de selim.

15: Curso: É a capacidade de compressão de uma suspensão ou amortecedor, ao absorver um impacto. O valor é sempre referido em milímetros.

16: Sloping: Inclinação do tubo horizontal face ao solo.

17: Tamanho: Basicamente é o tamanho do quadro. No fundo é o comprimento do tubo vertical.

18: Espigão de selim: Componente que sustenta o selim e que é introduzido no quadro permitindo ajustar a altura ao nosso gosto pessoal.

19: Tubo de direção: Tubo do quadro situado entre a suspensão e o avanço. Alberga os rolamentos da direção.

20: Tubo de selim ou tubo vertical: Tubo do quadro, compreendido entre a extremidade do tubo horizontal e o pedaleiro.

21: Tubo superior ou horizontal: Tubo do quadro compreendido entre a extremidade superior do tubo vertical e a direção.