Miguel Ángel López vai deixar a Astana no final da temporada

A confirmação foi dada por Alexandre Vinokourov, revelando ainda que a Volta a Itália será a última corrida do colombiano com a equipa cazaque.
Carlos Pinto / Foto: Bettini -
Miguel Ángel López vai deixar a Astana no final da temporada
Miguel Ángel López vai deixar a Astana no final da temporada

Após seis anos na Astana Pro Team - equipa na qual se estreou como profissional em 2015 após ganhar o Tour de Porvenir uns meses antes - Miguel Ángel López abandonará a equipa cazaque ao finalizar esta temporada, segundo confirmação do manager geral da equipa, Alexandre Vinokourov.

Segundo Vinokourov, as restrições em termos de orçamento da equipa, devido ao impacto económico que a pandemia provocou, não lhes permite continuar a contar com o ciclista colombiano a partir da próxima temporada.

Além disso, Vinokourov anunciou que, após o Mundial deste fim de semana em Imola, onde vai defender as cores do seu país, Superman López participará na Volta a Itália com a ideia de ajudar Jakob Fuglsang, líder da Astana nessa prova e um dos favoritos à vitória. Na prova italiana o colombiano colocará um ponto final numa ligação de seis anos com a estrutura.

Desde 2015, Miguel Ángel López obteve 17 vitórias, destacando-se as classificações gerais da Volta à Catalunha de 2019, Volta à Colômbia de 2019, Volta à Suíça de 2016, Milão-San Remo de 2016, bem como vitórias de etapa na Volta a Espanha, Volta a França, Volta a Burgos, Volta ao Algarve, Tour dos Alpes, Tour de Omán, Volta à Áustria...

Além disso, na temporada de 2018 subiu ao pódio na Volta a Itália e na Volta a Espanha, tendo sido terceiro da geral em ambos os casos. Também esteve muito perto do pódio no passado Tour, mas um contrarrelógio final precário fez com que perdesse três posições baixando do 3º para o 6º lugar.

Em todo o caso, a regularidade nas Grandes Voltas de Miguel Ángél López, de 26 anos, não está sequer em causa. Desde 2016 participou em sete (4 Voltas a Espanha, 2 Voltas a Itálie e uma Volta a França), acabando seis delas e sempre entre os oito primeiros da geral final.