Chris Froome deixa um recado: "As estradas do Tour decidirão quem é o líder da Ineos"

O britânico assegura que já está completamente recuperado da sua grave lesão e que se sente preparado para tentar ganhar pela quinta vez o Tour.
Agência EFE -
Chris Froome deixa um recado: "As estradas do Tour decidirão quem é o líder da Ineos"
Chris Froome deixa um recado: "As estradas do Tour decidirão quem é o líder da Ineos"

O britânico Chris Froome assegurou que já está completamente recuperado da sua grave lesão e que se sente preparado para tentar ganhar pela quinta vez a Volta a França. Froome chegou mesmo a dizer que "as estradas decidirão" quem será o líder da equipa Ineos, pois existem três hipóteses: o próprio Froome, o colombiano Egan Bernal e britânico Geraint Thomas.

"Recuperei bem da lesão. Esta paragem até me ajudou, pois consegui fazer seis ou sete horas de treino por dia. Não foi fácil, mas agora estamos todos ao mesmo nível. Estou muito motivado por voltar a correr como antes. Este período deu-me mais dois meses de preparação", afirmou Froome numa entrevista ao canal italiano "Sky Sport".

O britânico, que fraturou o fémur, o cotovelo, o quadril e várias costelas numa queda durante o reconhecimento do contrarrelógio do Dauphiné do ano passado, sente-se preparado para competir na próxima edição do Tour, na qual deverá superar também a concorrência de Bernal e Thomas.

"Estou preparado para o Tour. Inclusivé para ser o líder. O mais importante é que no final do dia a equipa ganhe. Depois a estrada decidirá quem é o líder. Encontraremos uma solução e respeitaremos os nossos objetivos. Cada um quer ganhar, mas o mais importante é a equipa", salientou.

Froome também recordou a sua vitória na Volta a Itália de 2018, numa edição na qual fez história com um ataque a 83 km do final da penúltima etapa, o que lhe permitiu ganhar a liderança. "Foi algo inesquecível. E foi a melhor vitória da minha carreira. Voltar a ver essas imagens faz-me perceber quão especial foi esse momento. Entendi nessa prova que os fãs italianos são simpáticos e que me ajudaram, apesar de ser britânico. Eles olham para o corredor e não para a sua nacionalidade", afirmou.