Tour 2020 terá um percurso com muita montanha e pouco contrarrelógio

A edição 107 da Volta a França terá como etapa chave a cronoescalada de La Planche des Belles Filles na penúltima etapa, a qual será simultaneamente o único contrarrelógio da prova. Será uma edição marcada por muita montanha.
Revista Ciclismo a fundo -
Tour 2020 terá um percurso com muita montanha e pouco contrarrelógio
Tour 2020 terá um percurso com muita montanha e pouco contrarrelógio

Esta manhã foi apresentado o percurso da Volta a França 2020, que começará uma semana antes do habitual (no dia 27 de junho em Nice e terminará no dia 19 de julho) para não coincidir com os Jogos Olímpicos de Tóquio, que decorrerão a partir do dia 24 desse mês. A cerimónia decorreu no Palácio de Congressos de Paris e a apresentação foi feita por Christian Prudhomme, diretor do Tour. Presentes estiveram, entre outros, Egan Bernal (vencedor da prova este ano), Chris Froome (vencedor em quatro ocasiões), já sem muletas, mas a coxear, e outros ciclistas de renome mundial como Peter Sagan, Julian Alaphilippe, Steven Kruijswijk, Thibaut Pinot, Greg Van Avermaet ou Philippe Gilbert.

A grande novidade da edição 107 do Tour é que, pela primeira vez na história moderna da prova - desde os anos 40, após a segunda Grande Guerra Mundial - não haverá nenhum contrarrelógio individual plano. Haverá, contudo, uma cronoescalada em La Planche des Belles Filles que se adivinha ser decisiva para a geral, já que decorrerá na penúltima etapa, ou seja, no dia antes da passagem triunfal nos Campos Elíseos. Será um crono com 36 km, sendo os primeiros 30 km planos e os restantes em subida com 5,9km a 8,5%. Aliás, este final de etapa não é inédito, pois já ocorreu quatro vezes nos últimos anos com vitórias de Froome (2012), Nibali (2014), Aru (2016) e Teuns este ano.  

El Tour 2020 presenta su recorrido

O Tour 2020 contará com 9 jornadas planas, três acidentadas, oito de montanha, com quatro chegadas em alto, e a referida cronoescalada de 36 km com final em La Planche des Belles Filles. "Procurámos ter variedade", referiu Prudhomme, que confessou preferir ver os ciclistas lutar ombro a ombro do que em solitário.  

A próxima edição não subirá o Tourmalet, o Galibier, o Mont Ventoux, nem o Alpe d´Huez, mas os organizadores esperam surpreender com o Mont Aigoual e Puy Mary no Maçico Central, com o Grand Colombier, com a peculiar subida ao Col de la Loze nos Alpes ou a cronoescalada de La Planche des Belles Filles. Numa edição na qual os Pirenéus ficarão relegados para segundo plano, com apenas duas etapas no fim da primeira semana, estas duas últimas menções perfilam-se como o elemento decisivo para a luta pela classificação geral. 

Um percurso pouco habitual

O Tour 2020 vai começar no dia 27 de junho em Nice, onde decorrerão as duas primeiras etapas, e após atravessar os cinco maciços do país (Alpes, Central, Pirenéus, Jura e Vosgos), acabará no dia 19 de julho nos Campos Elísios. A prova começará com uma dureza maior do que o habitual, com subidas exigentes em cinco das dez primeiras etapas. A primeira terá um traçado plano, ideal para uma chegada massiva, mas na segunda jornada chegará o primeiro contato sério com a montanha, numa etapa que inclui as subidas a Colmiane (16,3 km a 6,2%), Turini (14,9 km a 7,3%) e a subida final a Col d´Eze (7,8 km a 7%), perto da meta. Uma etapa que marcará as primeiras diferenças na geral. 

O pelotão nem terá tempo para descansar, pois entrará logo no Maciço Central, com uma inédita chegada em Mont Aigoual (8,3 km a 4%, com a subida prévia a Col de la Lusette, com 11,7 km a 7,3%) antes de rumarem aos Pirenéus, onde não haverá chegadas ao alto, embora de facto existam duas jornadas muito exigentes: a 8ª (com as subidas a Mentê, Port de Balès, com 11,7 km a 7,7% e Peyresorude, com 9,7 km a 7,8%), e a 9ª, com o Col de la Hourcère (11,1 km a 8,8%) e Marie-Blanque (7,7 km a 8,6%) como grandes dificuldades. 

El Tour 2020 presenta su recorrido

 
A prova seguirá para norte em direção à costa atlântica, com uma primeira jornada de descanso e uma vistosa etapa entre as ilhas de Oléron e Ré, onde o vento pode converter-se na protagonista. Depois o pelotão ruma a este, com duas etapas de transição e com uma nova passagem pelo Maciço Central para conhecer as subidas do Puy Mary, meta da 13ª etapa, antes de embarcar em Jura, rumo ao Grand Colombier (17,4 km a 7,1%), que pela primeira vez receberá uma chegada do Tour. 

Seguem-se três etapas alpinas (da 16 à 18), com especial atenção à 17ª, na qual o pelotão terá de subir dois colossos como o Col de la Madeleine (17,1 km a 8,4%) e o Col de la Loze (21,5 km a 7,8%), cuja subida será feita por uma estrada recentemente asfaltada e que, segundo as palavras de Prudhomme, "é diferente de tudo o que existia até agora na Volta a França". A 18ª etapa (Méribel - La Roche-sur-Foron) não é de menor exigência, com 4.000 metros de desnível e cinco subidas (Cornet de Roselend, Saisies, Aravis, Plateau des Gilières e Fleuries), embora não tenham final em alto. 

El Tour 2020 presenta su recorrido

A luta pela geral só ficará decidida no final, na cronoescalada de 36 km entre Lure e La Planche des Belles Filles. O traçado desta etapa estará dividido em três terços: uma parte mais plana, apta para especialistas, outra mais exigente em falso plano e a última decorrerá na mítica subida com quase 6 km com uma pendente média de 8,5%. As limitações logísticas não possibilitaram acrescentar o último quilómetro de terra que os ciclistas subiram este ano, o que não retira o carácter decisivo a uma etapa que, prometem os organizadores, manterá o suspense até ao fim. 

El Tour 2020 presenta su recorrido

Etapas

27-Junho. Nice - Nice (156 km)

28-Junho. Nice - Nice (187 km)

29-Junho. Nice - Sisteron (198 km)

30-Junho. Sisteron - Orcières-Merlette (157 km)

01-Julho. Gap - Privas (183 km)

02-Julho. Le Teil - Mont Aigoual (191 km)

03-Julho. Millau - Lavur (168 km)

04-Julho. Cazères-sur-Garonne - Loudenvielle (140 km)

05-Julho. Pau - Laruns (154 km) 

06-Julho. Descanso 

07-Julho. Ile d'Oleron - Ile de Ré (170 km) 

08-Julho. Châtelaillon-Plage - Poitiers (167 km) 

09-Julho. Chauvigny - Sarran (218 km) 

10-Julho. Châtel-Guyon - Puy Mary (191 km) 

11-Julho. Clermont Ferrand - Lyon (197 km) 

12-Julho. Lyon - Grand Colombier (175 km) 

13-Julho. Descanso 

14-Julho. La Tour-du-Pin - Villard-de-Lans (164 km)

15-Julho. Grenoble - Méribel (168 km)

16-Julho. Méribel - La Roche-sur-Foron (168 km)

17-Julho. Bourg-en-Bresse - Champagnole (160 km)

18-Julho. Lure - Planche des Belles Filles (36 km CRI)

19-Julho. Mantes-la-Jolie - París (122 km)