Publicidade

Será que precisamos mesmo de consumir géis energéticos?

Se és daqueles que não acredita que seja benéfico ingerir tal quantidade de açúcares, neste artigo tiramos as tuas dúvidas.
MOUNTAINBIKES.PT / Yalgo Alcalde -
Será que precisamos mesmo de consumir géis energéticos?
Será que precisamos mesmo de consumir géis energéticos?

Esta pergunta é habitual entre os praticantes de BTT e ciclismo que são iniciantes na modalidade. De um ponto de vista mais "purista", pode-se dizer que os géis são algo artificial e desnecessário. Mas, como em tudo na vida, convém informarmo-nos antes de tecermos comentários desprovidos de validade científica.

É óbvio que à volta do mundo da nutrição em geral e da nutrição desportiva em particular, existe muito marketing associado e algumas mensagens transmitidas pelos fabricantes aos consumidofres que são duvidosas. Por este motivo, não é fácil descernir quais são os produtos que realmente são recomendáveis e os que não.

Aprofundemos mais. O que é um gel? Um gel é um produto que essencialmente leva açúcar e água numa embalagem selada. Sendo mais específicos, os géis em regra levam dois ou três tipos de açúcares que facilitam a sua absorção no estômago. Além disso, algumas marcas acrescentam sódio (sal) e alguns ainda adicionam minerais. Outras marcas também acrescentam vitaminas e até cafeína.

Respondendo à pergunta sobre se são bons ou maus, diremos que se os tomarmos a meio de uma maratona, serão bons do ponto de vista energético, pois vão fornecer "gasolina" aos músculos. Quando pedalamos, os músculos consomem açúcar (glucose) de uma forma contínua. Se a volta de bicicleta for longa e/ou intensa, este fornecimento de glucose acabará, tal como o depósito dos automóveis. Neste caso, ingerir açúcar em forma de gel é uma forma de ter mais energia para pedalar e cansarmo-nos menos. 

Neste sentido, esta ingestão de açúcar é precisamente o que o corpo nos está a pedir: energia muscular. Além do açúcar, ingerir sódio durante o exercício também está comprovado de que ajuda a manter um equilíbrio correto, portanto convém os geis terem algum sal.

“Os geis são assimilados mais rapidamente e requerem menos trabalho por parte do estâmago”

E quanto à outra parte da pergunta, são mesmo imprescindíveis? Claro que não. Em vez de geis, nas tuas voltas podes utilizar alimentos ricos em hidratos de carbono, como por exemplo: bananas, passas, figos, marmelada, bolachas e até chocolates. As barritas, neste caso, também são outra alternativa. Contudo, pela sua composição, os geis são assimilados mais rapidamente, ou seja, implicam um menor trabalho por parte do estômago e o açúcar que possuem chega aos músculos antes (ao contrário de outros alimentos). Mas no fundo, aquilo de que o corpo precisa são hidratos de carbono (açúcares) para continuar a pedalar com energia. 

Em termos práticos, os geis implicam uma série de vantagens

1. Ocupam e pesam pouco.

2. Não precisam de ser preparados, lavados e separados.

3. São fáceis de comer em andamento, sem parar.

4. Não se estragam tão facilmente. 

Em resumo: podes estar totalmente tranquilo se decidires ingerir geis, já que não te vão prejudicar quando estiveres numa volta de bicicleta exigente que implique um determinado nível de fadiga. No entanto, se vais fazer um passeio, não precisas de tomar um gel. Se preferes comer uma banana ou umas bolachas, não há problema, pois a escolha é tua. 

 

 

 

 

 

Utilizamos cookies próprias e de terceiros para facilitar e melhorar a navegação, mostrar conteúdo relacionado às suas preferências e coletar informações estatísticas. Se você continuar navegando, consideramos que você aceita seu uso. Mais informação.