Publicidade

11 conselhos para disfrutar da bicicleta este inverno

Devemos reconhecer que andar de bicicleta com frio, chuva e lama pode ser desmotivador para alguns. Mesmo assim, não temos de esperar que chegue a primavera para voltarmos a tirar a bicicleta da garagem. Basta mentalizarmo-nos de que o BTT no inverno também é divertido, desde que nos preparemos. Neste artigo damos uma série de conselhos muito úteis para esta altura do ano.
www.mountainbikes.pt / Yalgo Alcalde -
11 conselhos para disfrutar da bicicleta este inverno
11 conselhos para disfrutar da bicicleta este inverno

1> Os pés

Um dos melhores investimentos que podes fazer é comprar umas boas botas de inverno. Além de umas meias impermeáveis que podem ajudar a manter os pés sempre quentes. Se isto implica um custo muito avultado para ti, a solução mais económica é a aquisição de umas capas para os sapatos. Para casos mais extremos, há quem use papel de alumínio embrulhado nos pés (debaixo das meias).

2> Calções largos impermeáveis

São muito úteis para manter o traseiro mais ou menos seco. Um calção de licra por dentro ajuda a manter as pernas quentes e a utilização de pernitos também.

3> Um bom cortavento impermeável

É imprescindível para evitar a perda de calor e para não molharmos o tronco e os braços. Por muito respiráveis que os casacos sejam, se estamos numa subida, aquecem sempre, a não ser que estejamos a subir muito devagar, ou que haja frio e vento. Por esse motivo, recomendamos usar casacos que sejam fáceis de despir e guardar na mochila quando tivermos de enfrentar subidas longas, sem suar em excesso. Debaixo do casaco, pode ser suficiente usar uma camisola térmica respirável e um jersey.

4> Para a cabeça

Só recomendamos a utilização de gorros integrais em situações de muito frio e em percursos muito planos. Dizemos isto porque em subida podem provocar calor excessivo e podemos acabar empapados em suor. O mais confortável é utilizar um buff que tape as orelhas e parte da cabeça, bem como outro que nos proteja o pescoço e a boca (nos quilómetros iniciais). 

5> As mãos e os pés

São as partes do corpo que mais custam a manter quentes. Por falar nas mãos, devemos utilizar umas boas luvas de inverno. Para aqueles que são muito friorentos, existem luvas com camada dupla. Existem bolsas de calor que se usam no esqui e que também ajudam a manter as mãos quentes. Obviamente, estas devem ser colocadas no dorso da mão para não perder o tato no guiador. 

6> Se formos pedalar em zonas fechadas, como bosques...

... e está nublado, talvez seja boa ideia mudar as lentes dos nossos óculos, optando pelas transparentes. Isto assegura de que mantemos a visibilidade e ao mesmo tempo estamos protegidos dos salpicos da lama.  

7> Guarda-lamas

Esta peça, colocada no quadro da bicicleta (ou nos carris do selim) e mesmo por cima da roda dianteira, evitará que a lama salte da roda dianteira diretamente para a nossa cara. 

8> Hidratação

Quando faz frio, as necessidades de reposição de líquidos são menores do que no verão, portanto não é necessário beber tanto. Enquanto no verão devemos beber à volta de meio litro por hora, no inverno essa quantidade pode ser reduzida para metade. Podemos também levar algum bidon térmico com uma bebida açucarada quente (chá, por exemplo). 

9> Pré-aquecimento

Aqui o objetivo é literalmente aquecer o corpo antes de sairmos, deste modo será menos difícil enfrentar os trilhos. Um truque muito básico consiste em estar em casa ou no carro vestidos com a roupa que vamos utilizar na volta de bicicleta durante alguns minutos. Assim acumulamos calor sem chegar a suar. 

10> Paragens estratégicas

Quando faz muito frio, é boa ideia planificar uma paragem num café a meio da volta, para aquecer um pouco. Nesta paragem intermédia, podemos aproveitar para mudar de camisola interior, pois pode estar completamente suada (convém levar uma a mais no bolso ou mochila). 

11> Saber dizer basta

E aplicar o senso comum. Por mais abrigados que estejamos, por vezes é preferível ficar em casa se as condições são particularmente más. Estar mais de 2 ou 3 horas molhado e com menos de 5 graus de temperatura pode implicar uma hipotermia. Não vale a pena correr riscos. 

 

Utilizamos cookies próprias e de terceiros para facilitar e melhorar a navegação, mostrar conteúdo relacionado às suas preferências e coletar informações estatísticas. Se você continuar navegando, consideramos que você aceita seu uso. Mais informação.